Artigos
Quinta, 06 de Dezembro de 2018 05h15
ADAILTON ALVES DE SOUZA: Advogado da União.



Rejeição liminar do pedido no Processo do Trabalho


Resumo: O presente trabalho objetivo examinar a compatibilidade do instituto da rejeição liminar do pedido (art. 285-A do CPC/73 e art. 332 do CPC/2015) no âmbito processual trabalhista. Buscou-se analisar o instituto da rejeição liminar do pedido, cotejando os argumentos contrários e favoráveis à sua utilização na seara processual do trabalho.

Palavras-chave: Rejeição liminar do pedido; demandas repetitivas; aplicabilidade; processo do trabalho.

Abscratct: The objective of this study is to examine the compatibility of the preliminary rejection of the application (article 285-A of CPC/73 and article 332 of CPC/2015) in the labor process. We tried to analyze the institute of the preliminary rejection of the request, comparing the opposing arguments and favorable to its use in the processional labor court.

Keywords: Rejection of the order; repetitive demands; applicability; process of work.

Sumário: Introdução; 1 A busca pela tutela jurisdicional tempestiva; 1.1 O julgamento liminar como meio de efetividade processual; 2 A aplicação supletiva do Código de Processo civil ao Processo do Trabalho; 3 Rejeição liminar do pedido no processo do trabalho; 3.1 Análise crítica. Considerações finais; Referências.


 

INTRODUÇÃO

A lentidão na prestação jurisdicional constitui o principal motivo de desprestígio do Judiciário brasileiro. No enfrentamento de tal fato, o legislador vem promovendo diversas modificações no ordenamento jurídico. Nesse cenário, a Lei nº 11.277/06 inseriu no ordenamento jurídico brasileiro o instituto do julgamento liminar de mérito em demandas repetitivas (art. 285-A do CPC/73), possibilitando ao juiz proferir sentença de improcedência (antes mesmo da citação do réu), quando a matéria for unicamente de direito e no juízo já houver outros julgados pela total improcedência, bastando à mera reprodução dos fundamentos anteriormente utilizados.

O aludido instituto foi pensado para encerrar, ainda no seu nascedouro, as chamadas “ações repetitivas”, entendidas como aquelas que costumeiramente se repetem na Justiça, contendo sempre a mesma matéria de direito, mudando-se apenas os nomes das partes.

A técnica de aceleração do julgamento, prevista no art. 285-A do CPC/73, dividiu opiniões e teve sua constitucionalidade questionada por meio de ADIN proposta pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), por entender que a aplicação do citado artigo fere diversos princípios constitucionais, notadamente: do contraditório, da ampla defesa e da isonomia. Aguarda-se o pronunciamento do Supremo Tribunal Federal.

A rejeição liminar do pedido foi mantida (de modo ampliada) no novo Código de Processo Civil (art. 332, Lei 13.105/2015)[1].

Neste trabalho, procuramos listar os argumentos favoráveis e contrários à compatibilização do instituto processual de julgamento liminar de improcedência em demandas repetitivas na seara processual trabalhista, posicionando-nos favorável à aplicabilidade.

1 A BUSCA PELA TUTELA JURISDICIONAL TEMPESTIVA

A morosidade na apreciação de lides submetidas à apreciação do julgador é um problema presente desde a antiguidade. Discorrendo acerca da razoável duração do processo, Frederico Augusto Leopoldino Koehler[2] nos brinda com um exemplo que comprova a assertiva acima. Relata o autor que o imperador romano Carlos Magno, buscando alternativas para solucionar a celeuma, editou a Disposição Capitular 775, que dispunha: “Quando o juiz demorar a proferir a sentença, o litigante deverá instalar-se em casa dele e aí viverá, de cama e mesa à custa dele”.

A excessiva demora na entrega da prestação jurisdicional continua a ser um problema atual e universal, razão que levou diversos países a inserirem em suas constituições o direito à razoável duração do processo e a promoverem modificações na legislação infraconstitucional, buscando adotar medidas que promovam a celeridade processual.

Como bem adverte Cândido Rangel Dinamarco[3], "desencadear medidas contra o tempo inimigo é um modo de cumprir o compromisso, solenemente assumido pelo Estado brasileiro ao aderir ao Pacto de San José da Costa Rica, de oferecer aos litigantes uma tutela jurisdicional em prazo razoável".

Na atual sociedade globalizada, as relações jurídicas tornam-se complexas e os litígios tendem a agigantar-se, tornando evidente o problema gerado com as chamadas demandas de massa (ações repetitivas) que entopem o Judiciário brasileiro, contribuindo para complicar a questão da morosidade, exigindo do legislador modificações que deem condições de enfrentamento de tal fenômeno.

Nesse contexto, figurou o Projeto de Lei nº 4728-04, prevendo a inserção do art. 285-A no Código de Processo Civil/1973, objetivando a racionalização do julgamento de processos repetitivos, idealizado para funcionar como regra de racionalização de julgamentos em demandas repetitivas.

É consenso que as medidas processuais tradicionais não se têm mostrado idôneas para resolver a problemática das “demandas de massa”, desafiando o legislador a adotar medidas que possam ofertar solução uniforme e rápida, em obediência aos princípios constitucionais da duração razoável dos processos e da isonomia. Leonardo José Carneiro da Cunha afirma que, diante de uma sociedade que exige celeridade processual, a ponto de elevar a duração razoável dos processos a status de princípio constitucional, é preciso que as demandas de massa tenham “soluções de massa”, ou seja, recebam uma solução uniforme, garantindo-se, inclusive, o princípio da isonomia. [4].

Na seara processual trabalhista, a busca pela celeridade processual é percebida com maior facilidade, pois, ao lidar com direitos dos trabalhadores, tratando, na maioria das vezes, de discussão de verbas de caráter alimentar, não há como admitir que o processo se alongue no tempo, sob pena de comprometer as necessidades vitais do trabalhador e de sua família.

1.1 O julgamento liminar como meio de efetividade processual

A inserção do art. 285-A no Código de Processo Civil/1973 buscou estabelecer um filtro de entrada no acesso ao Judiciário como meio dar pronta e ágil resposta aos processos repetitivos, contribuindo para desafogar o número de causas pendentes de julgamento.

Assim dispunha o revogado art. 285-A do CPC/73:

Art. 285-A. Quando a matéria controvertida for unicamente de direito e no juízo já houver sido proferida sentença de total improcedência em outros casos idênticos, poderá ser dispensada a citação e proferida sentença, reproduzindo-se o teor da anteriormente prolatada.          (Incluído pela Lei nº 11.277, de 2006)

§ 1º Se o autor apelar, é facultado ao juiz decidir, no prazo de 5 (cinco) dias, não manter a sentença e determinar o prosseguimento da ação.          (Incluído pela Lei nº 11.277, de 2006)

§ 2º Caso seja mantida a sentença, será ordenada a citação do réu para responder ao recurso.        (Incluído pela Lei nº 11.277, de 2006)

Acerca da premente necessidade de adoção de meios de combate a demandas repetitivas, destaca Luiz Guilherme Marinoni[5]:

[...] é preciso dar atenção à multiplicação das ações que repetem litígios calcados em fundamentos idênticos, solucionáveis unicamente a partir da interpretação da norma. A multiplicação de ações desta natureza, muito freqüente na sociedade contemporânea, especialmente nas relações travadas entre o cidadão e as pessoas jurídicas de direito público ou privado - como aquelas que dizem respeito à cobrança de um tributo ou à interpretação de um contrato de adesão -, geram, por conseqüência lógica, mais trabalho à administração da justiça, tomando, de forma absolutamente irracional, tempo e dinheiro do Poder Judiciário.

Encontramos o escopo do referido instituto processual na justificação da lei que o instituiu. Veja-se: "a proposta vai nesse sentido ao criar mecanismo que permite ao juiz, nos casos de processos repetitivos, em que a matéria for unicamente de direito, e no juízo houver sentença de total improcedência, dispensar a citação e proferir decisão reproduzindo a anteriormente prolatada".

Assim, o legislador procurou estabelecer um filtro de entrada no acesso ao Judiciário como meio dar pronta e ágil resposta aos processos repetitivos, contribuindo para desafogar o número de causas pendentes de julgamento. Nessa trilha, acrescenta Luiz Guilherme Marinoni[6]:

É racional que o processo que objetiva decisão acerca de matéria de direito sobre a qual o juiz já firmou posição em processo anterior seja desde logo encerrado, evitando gasto de energia para a obtenção de decisão a respeito de “caso idêntico” ao já solucionado. Nesta perspectiva, o “processo repetitivo” constitui formalismo desnecessário, pois tramita somente para autorizar o juiz a expedir a decisão cujo conteúdo já foi definido no primeiro processo.

Com o imenso trânsito jurídico da sociedade moderna, os litígios se multiplicam e deságuam no Judiciário. É nesse contexto que entrou em cena o art. 285-A do CPC/73: para fazer frente aos processos repetitivos, impedindo o desenvolvimento da relação processual e o do iter procedimental, com gastos desnecessários, pois já se sabe de antemão que a sentença será pela improcedência do pedido.

Como bem adverte Nelson Nery Júnior e Rosa Maria de Andrade Nery[7]: “seria perda de tempo, dinheiro e de atividade jurisdicional insistir-se na citação e na prática dos demais atos do processo, quando o juízo já tem posição firmada quanto à pretensão deduzida pelo autor.” 

Convém ressaltar que, além de estar inserida no contexto das técnicas de aceleração da tutela jurisdicional, a rejeição liminar nas demandas repetitivas (prevista no art. 285-A do CPC/73 e ratificada, com modificações no art. 332, CPC/2015) encontra abrigo na valorização dos precedentes.

O atual dispositivo normativo que estabelece a rejeição liminar do pedido (art. 332 do CPC/2015) assim expõe:

Art. 332.  Nas causas que dispensem a fase instrutória, o juiz, independentemente da citação do réu, julgará liminarmente improcedente o pedido que contrariar:

I - enunciado de súmula do Supremo Tribunal Federal ou do Superior Tribunal de Justiça;

II - acórdão proferido pelo Supremo Tribunal Federal ou pelo Superior Tribunal de Justiça em julgamento de recursos repetitivos;

III - entendimento firmado em incidente de resolução de demandas repetitivas ou de assunção de competência;

IV - enunciado de súmula de tribunal de justiça sobre direito local.

§ 1o O juiz também poderá julgar liminarmente improcedente o pedido se verificar, desde logo, a ocorrência de decadência ou de prescrição.

§ 2o Não interposta a apelação, o réu será intimado do trânsito em julgado da sentença, nos termos do art. 241.

§ 3o Interposta a apelação, o juiz poderá retratar-se em 5 (cinco) dias.

§ 4o Se houver retratação, o juiz determinará o prosseguimento do processo, com a citação do réu, e, se não houver retratação, determinará a citação do réu para apresentar contrarrazões, no prazo de 15 (quinze) dias.

Considerando que o CPC pode ser utilizado de forma subsidiária ao Processo do Trabalho, conforme prevê a Consolidação de Leis Trabalhistas - CLT (art. 769), parece-nos que sua utilização naquela esfera se mostraria útil no enfrentamento de demandas repetitivas que ali fossem instaladas. Contudo, a utilização sugerida é motivo de controvérsia, conforme se verá adiante.

2 A APLICAÇÃO SUPLETIVA DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL AO PROCESSO DO TRABALHO

Discute-se na doutrina se o processo do trabalho é autônomo frente aos demais ramos processuais (processo civil e processo penal).

Na dicção de Mauro Schiavi[8], “para se aquilatar a autonomia de determinado ramo do direito, necessário avaliar se ele possui princípios próprios, uma legislação específica, um razoável número de estudos doutrinários a respeito e um objeto de estudo próprio.”

Nesse passo, no tocante ao processo laboral, os nominados “monistas” defendem que o dito ramo não possui autonomia, sendo mero desdobramento do processo civil. De outra banda, os “dualistas” sustentam que o processo do trabalho é ramo autônomo em relação ao processo civil, já que possui princípios e institutos próprios. Há ainda quem defenda que o processo trabalho possui relativa autonomia, já que o processo civil é aplicado subsidiariamente a este ramo.

Nesse sentido, concordamos com a visão de Mauro Schiavi[9] quando destaca:

Estamos convencidos de que, embora o Direito Processual do Trabalho, hoje, esteja mais próximo do Direito Processual Civil e sofra os impactos dos Princípios Constitucionais do Processo, não há como se deixar de reconhecer alguns princípios peculiares do Direito Processual do Trabalho os quais lhe dão autonomia e o distinguem do Direito Processual comum.

Ocorre que, mesmo que se reconheça a autonomia do processo laboral ante o processo civil comum, este último deve ser aplicado subsidiariamente, por expressa previsão legal (CLT, art. 769), bastando que haja lacuna na CLT e a utilização se mostre compatível com os princípios que norteiam o processo trabalhista.

Dispõe a CLT (art. 769) que nos casos omissos, o direito processual comum deverá ser utilizado como fonte subsidiária do direito processual do trabalho, exceto naquilo em que for incompatível com as normas trabalhistas.

Diante da redação do referido dispositivo legal, como dito, vê-se que a aplicação do direito processual civil no âmbito processual trabalhista depende de dois requisitos cumulativos: i) que não haja disciplinamento da matéria na CLT e nas legislações processuais extravagantes (omissão) e ii) que haja compatibilidade das normas aplicadas com os princípios que regem o processo do trabalho (compatibilidade).

A esse respeito, preleciona Carlos Henrique Bezerra Leite[10]:

O processo do trabalho surgiu da necessidade de se implementar um sistema de acesso à Justiça do Trabalho que fosse a um só tempo simples, rápido e de baixo custo para os seus atores sociais. Daí a necessidade de uma cláusula de contenção das normas do processo civil, o qual somente será aplicado subsidiariamente em duas situações: existência de lacuna no sistema processual trabalhista e compatibilidade da norma a ser transplantada com os seus princípios peculiares (CLT, art. 769).

Mauro Schiavi[11] aponta a existência de duas vertentes interpretativas acerca do alcance do art. 769 da CLT. A primeira, denominada de restritiva, somente permite a aplicação subsidiária do CPC quando houver omissão da legislação processual trabalhista, forte na necessidade de que o processo deve dar segurança e previsibilidade ao jurisdicionado. A segunda, chamada de evolutiva, defende a aplicação da legislação processual civil quando a dita utilização trouxer maior eficiência à jurisdição trabalhista, amparada nos princípios constitucionais da efetividade, duração razoável do processo e no caráter instrumental do processo. Essa última vertente milita a favor da aplicabilidade de institutos inseridos no Código de Processo Civil que propicie maior efetividade ao processo do trabalho, tais como o art. 285-A, assunto discutido neste trabalho.

Por outra via, a necessidade do atendimento aos requisitos citados (omissão e compatibilidade), para que se permita a aplicação subsidiária do CPC ao processo do trabalho, representa, para boa parte da doutrina, um obstáculo intransponível à utilização do art. 285-A nesta esfera processual do trabalho, conforme veremos adiante.

No Processo do Trabalho, alguns princípios processuais lhe são peculiares ou tem sua importância acentuada nesta esfera processual, notadamente: proteção ao trabalhador, informalidade, solução conciliatória dos conflitos, celeridade, simplicidade, oralidade.

Dentre as regras específicas do processo do trabalho que se relacionam diretamente com a discussão acerca da aplicabilidade da rejeição liminar do pedido (art. 285-A, CPC/73 e art. 332, CPC/2015) neste ramo processual, despontam, entre outras a obrigatoriedade da tentativa de conciliação das partes em audiência e o permissivo para utilização do Código de Processo Civil na esfera processual trabalhista somente nas hipóteses de omissão da CLT, alvos de comentários nos próximos itens.

Nas palavras de Carlos Henrique Bezerra Leite[12], “Embora o princípio da conciliação não seja exclusividade do processo laboral, parece-nos que é aqui que ele se mostra mais evidente, tendo, inclusive, um iter procedimentalis peculiar.” (grifos no original)

Acerca da obrigatoriedade de tentar o magistrado conciliar as partes, dispõe o art. 764 da CLT:

Art. 764 - Os dissídios individuais ou coletivos submetidos à apreciação da Justiça do Trabalho serão sempre sujeitos à conciliação.

§ 1º - Para os efeitos deste artigo, os juízes e Tribunais do Trabalho empregarão sempre os seus bons ofícios e persuasão no sentido de uma solução conciliatória dos conflitos.

§ 2º - Não havendo acordo, o juízo conciliatório converter-se-á obrigatoriamente em arbitral, proferindo decisão na forma prescrita neste Título.

§ 3º - É lícito às partes celebrar acordo que ponha termo ao processo, ainda mesmo depois de encerrado o juízo conciliatório.

Quanto aos momentos processuais adequados, a CLT impõe que a conciliação seja tentada em dois momentos distintos: antes do recebimento da defesa, nos termos do art. 846[13] da CLT e após as razões finais, conforme delineado no art. 850[14], da CLT.

O ato da conciliação tem importância tamanha para o processo trabalhista que boa parte da jurisprudência considera causa de nulidade absoluta o fato do juiz não tentar persuadir às partes a que cheguem à solução conciliatória, nas duas oportunidades distintas previstas na CLT (antes do recebimento da defesa e após as razões finais). Nesse sentido, a seguinte ementa de julgado do Tribunal Superior do Trabalho:

NULIDADE POR AUSÊNCIA DA PROPOSTA DE CONCILIAÇÃO NA AUDIÊNCIA INAUGURAL – Nos termos do art. 846 da CLT, no processo do trabalho, é imperativo de ordem pública a sujeição dos dissídios individuais à prévia proposta de conciliação. Pelo menos em duas oportunidades definidas por lei, o juiz é obrigado a propor e a renovar a proposta de conciliação. Ademais, a proposta de conciliação é obrigatória, pela própria natureza do processo do trabalho, conforme se extrai do art. 114 da Constituição Federal que disciplina a competência da Justiça do Trabalho para conciliar e julgar os dissídios individuais. Portanto, a ausência da proposta de conciliação constitui nulidade absoluta, podendo ser argüida a qualquer tempo. Revista conhecida e provida.

TST.RR 335588/1997. 3ª T. Rel. Min. Francisco Fausto. DJU 22.10.1999. p.204.

Parece-nos extremado o posicionamento de anular o processo sempre que não for realizada a audiência de conciliação nos dois momentos sugeridos na CLT.  Há de se verificar, no caso concreto, se houve efetivo prejuízo às partes e, em caso negativo, não há razão para justificar a nulidade. Ademais, conforme anotado por Mauro Schiavi[15], as partes podem transacionar a todo tempo, sendo possível que a conciliação ocorra mesmo em grau de recurso, suprindo a proposta conciliatória que não fora realizada em audiência.

Por outra via, sendo oferecida a conciliação pelo menos na última oportunidade (após as razões finais), nenhuma nulidade poderia ser alegada, já que nessa situação, como regra geral, nenhum prejuízo sofreriam as partes na supressão da primeira tentativa de conciliação, pois tiveram oportunidade de encerrar a lide por autocomposição durante o curso da demanda no juízo de 1º grau.

Outra característica do Processo do Trabalho que aponta para o valor dado a conciliação neste ramo processual reside na equiparação do termo de conciliação à coisa julgada. Confira-se nas palavras de Carlos Henrique Bezerra Leite[16]:

Outra peculiaridade do processo do trabalho repousa na equiparação prática do termo de conciliação à coisa julgada. É o que diz o parágrafo único do art. 831 da CLT: “No caso de conciliação, o termo que for lavrado valerá como decisão irrecorrível, salvo para a Previdência Social quanto às contribuições que lhe forem devidas”.

Acrescente-se que a redação original do art. 114 da Carta Fundamental de 1988 (alterado pela EC nº 45/2004), previa a competência da Justiça do Trabalho para “conciliar” e julgar os dissídios individuais e coletivos.

Do exposto, percebe-se a importância que a conciliação possui nesta esfera processual. Desse modo, parte da doutrina sustenta que a aplicação do art. 285-A do CPC/73 (atual art. 332 do CPC/2015) no processo do trabalho ofenderia o princípio da solução conciliatória dos conflitos trabalhistas, e, por isso, não pode ser aplicado no processo laboral, conforme adiante registrado.

3 REJEIÇÃO LIMINAR DO PEDIDO NO PROCESSO DO TRABALHO

Diante das peculiaridades que disciplinam o processo trabalhista, importantes vozes na doutrina se têm levantado no sentido da inaplicabilidade da rejeição liminar do pedido (art. 285-A, CPC/73 e art. 332, CPC/2015) no âmbito do processo do trabalho.

Nesse sentido, Mauro Schiavi[17] elaborou síntese acerca dos argumentos utilizados por esta corrente doutrinária. Veja-se:

Podemos elencar os seguintes argumentos contrários à aplicabilidade do art. 285-A do CPC ao Processo do Trabalho, que têm sido apontados pela doutrina. São eles:

 a) o processo do trabalho tem rito próprio, exigindo comparecimento das partes;

b) o principio da conciliação e da necessidade das tentativas obrigatórias de acordo pelo juiz;

c) não há omissão na CLT;

d) o juiz do trabalho somente tem contato com o processo em audiência, pois a notificação inicial é ato do diretor da Vara (art.841 da CLT);

e) descaracterização do procedimento trabalhista que não prevê despacho inicial e o saneador.

Em sede doutrinária, diversos autores se posicionam contrários a compatibilização discutida. Veja-se, como exemplo, os ensinamentos de Jorge Souto Maior[18]:

 Em uma primeira analise, pode parecer perfeitamente aplicável ao processo do trabalho o que prevê o novo artigo 285-A do CPC, baseando-se no argumento de que não há porque se ouvir o réu, se quanto ao mérito da pretensão o juiz já tiver convicção formada que seja a seu favor. [...] No entanto a regra, que confere ao juiz uma faculdade, não obrigando, portanto, a seguir tal procedimento, conflita com o procedimento trabalhista, já que ela evita o que se considera essencial no desenvolvimento do processo trabalhista que é o contato do juiz com as partes, por meio de procedimento oral, sem falar no aspecto da ausência da tentativa de acordo. O fato é que o procedimento oral agrega valores que vão muito alem da celeridade. Adotar esse procedimento é o primeiro passo para um caminho que mais tarde trará a “possibilidade de juntada de defesa por escrito”, “réplica”, “despacho saneador”, até se aniquilar o procedimento oral trabalhista. (grifou-se)

No que pertine ao segundo argumento (exigência de comparecimento das partes), dispõe o art. 841 da CLT que uma vez recebida e protocolada a reclamação, o escrivão ou secretário, dentro de 48 (quarenta e oito) horas, deverá remeter a segunda via da petição, ou do termo, ao reclamado, notificando-o ao mesmo tempo, para comparecer à audiência do julgamento, que será a primeira desimpedida, depois de 5 (cinco) dias.

Diante da redação do referido dispositivo legal, percebe-se que a sistemática processual trabalhista difere em muito do procedimento utilizado no Código de Processo Civil. No Processo do Trabalho, ao receber e protocolizar a reclamação trabalhista, o servidor responsável providencia a notificação do reclamado para comparecimento à audiência, deixando de fazer conclusão dos autos ao juiz da causa. Assim, sendo, diferente do que ocorre no Processo Civil, o juiz trabalhista (em regra) somente mantém contato com a petição inicial e com os detalhes da demanda por ocasião da audiência de conciliação.

Em reforço, José Cairo Júnior[19] preleciona que o juiz, no processo laboral, não examina a petição inicial logo após o momento de seu protocolamento, o que possibilitaria o seu indeferimento, justamente para que as partes fiquem frente a frente na audiência e possam, assim, conciliar.

Essa sistemática, na ótica dessa vertente, configura óbice à aplicação da rejeição liminar do pedido (art. 285-A do antigo CPC/73 e art. 332 do atual CPC/2015), pois, nos moldes previstos neste instituto processual, o juiz ao receber a inicial, antes mesmo de citar o réu, julga improcedente o pedido, mostrando-se, portanto, incompatível com o rito do processo do trabalho.

Ademais, como no processo do trabalho vigora o jus postulandi (art. 791, CLT), entendido como a possibilidade de o próprio reclamado pleitear sem a exigência de que possua capacidade postulatória. O reclamante pode elaborar a petição inicial ou mesmo verbalmente narrar os fatos. Por isso, não há rigidez com relação aos requisitos da petição inicial, nos moldes delineados no CPC, o que teoricamente dificultaria a verificação, no caso concreto, dos requisitos previstos para aplicação da rejeição liminar do pedido.

 Em síntese, parte da doutrina sustenta que seria incabível a aplicação do art.285-A na esfera processual trabalhista em virtude de que, neste ramo, o juiz não tem contato inicial com a petição, por expressa previsão legal a esse respeito (CLT) e, por isso, não há espaço para aplicação do artigo 285-A.

Nesse sentido destacamos as lições de Estevão Mallet[20]:

Incompatível com o processo do trabalho é a regra do art. 285-A do Código de Processo Civil, que confere ao juiz a prerrogativa de quando houver proferido sentença de improcedência, em outros casos idênticos, dispensar a citação do reclamado, bastando que reproduza sua anterior decisão. No processo do trabalho a citação se faz independentemente de prévia cognição judicial, por ato de serventuário, na forma do art. 841, caput, da consolidação das Leis do trabalho. O exame da matéria controvertida pelo juiz se dá em audiência, depois de já citado o reclamado.

Assim, diante dessa diferença de rito e considerando o fato de que, para esta corrente, a CLT não foi omissa, a aplicação do artigo 285-A ao Direito processual do Trabalho configura nulidade, pois frustra a tentativa de conciliação, importante instrumento de pacificação social.

Em reforço ao grupo dos autores que se posicionam pela inaplicabilidade do art. 285-A na esfera do processo laboral, registrem-se, ainda, os comentários de Maurício Goudinho Delgado[21]. Veja-se:

Dois exemplos chamam atenção nesta recente pletora de diplomas civis e processuais civis. A pronúncia automática da prescrição pelo Juiz (revogação do art. 294 do CCB/02 e novo § 5º do art. 219 do CPC, conforme Lei nº 11.280/06) e a improcedência liminar do pedido pelo Juiz em virtude de casos idênticos anteriormente julgados (novo art. 285-A do CPC, conforme Lei nº 11.277/06).

[...]

As duas inovações civilistas e processuais civis produzem grave restrição ao acesso à Justiça, também princípio cardeal da CF/88 e, há décadas, razão de existência do ramo especializado processual trabalhista no Brasil. Ainda que se tolere sua incidência em outros campos judiciais, ao fundamento de que permitem mitigar o número de causas em virtude do rápido decreto de sua improcedência (sic!!!), esta justificativa jamais pode sequer despontar na Justiça do Trabalho: afinal, neste ramo do Judiciário, as causas têm sido resolvidas com rapidez, com impressionante celeridade em distintas regiões judiciárias do país, não havendo qualquer justificativa consistente para a importação de semelhantes artifícios legais anômalos.

Sob a égide do novo Código de Processo Civil (Lei 13.105/2015), confira-se o posicionamento de     pela inaplicabilidade do art. 332 (improcedência liminar do pedido) ao processo do trabalho. Confira-se:

Como se cuida de pronunciamento sobre o mérito, colocamos em dúvida a possibilidade de o art. 332 do CPC ser aplicado ao processo do trabalho, sem que se tente, antes da rejeição do pedido, a conciliação. Cabe lembrar a declaração inscrita no art. 764 da CLT, de que “Os dissídios individuais ou coletivos submetidos à apreciação da Justiça do Trabalho serão sempre sujeitos à conciliação”. Só em casos excepcionais, como quando o processo extinguir-se sem exame do mérito, ou o pedido for juridicamente impossível, é que se poderá deixar de tentar conduzir as partes a uma solução negociada, consensual do litígio. Destarte, quando o juiz do trabalho tiver diante de si uma situação que se conforme à previsão do art. 330 do CPC, deverá designar audiência, visando à conciliação; somente se esta restar frustrada é que ele deverá, por sentença, rejeitar in limine o pedido.

Por fim, há quem sustente que a aplicação de normas do CPC no procedimento laboral somente se justifica quando for necessária e eficaz para melhorar a efetividade da prestação jurisdicional trabalhista.[22]

Do exposto, a corrente capitaneada pelos autores acima listados, entre outros, posiciona-se pela inaplicabilidade do art. 285-A do CPC/73 ao processo do trabalho, porquanto, no entender dos citados doutrinadores, a utilização do aludido instituto atenta contra os princípios e normas da CLT, em especial, atinge a concentração dos atos e informalidade, contribuindo para a supressão da audiência, da oralidade e da tentativa conciliatória. Não encontrando, como dito alhures, terreno fértil no processo laboral.

No entanto, boa parte da doutrina e jurisprudência defende a aplicabilidade da regra em comento no âmbito do processo do trabalho, o que veremos adiante, com mais vagar, a seguir.

Considerável parcela da doutrina e da jurisprudência pátria entende plenamente cabível a utilização do art. 285-A do CPC/73 pelo juiz trabalhista.

Nesse sentido, ainda fazendo proveito da síntese argumentativa das correntes contrastantes, elaborada por Mauro Schiavi[23], são listados em prol da utilização os seguintes fundamentos:

Por outro lado, há argumentos favoráveis à aplicação do artigo 285-A ao Processo do Trabalho. Dentre eles destacamos:

a) instrumentalidade do Processo do Trabalho;

b) racionalidade e efetividade ao procedimento;

c) compatibilidade com o rito trabalhista e omissão da CLT (artigo 769);

d) a retirada da expressão “conciliar” do artigo 114, pela EC 45/04.

Em sede jurisprudencial, colhem-se diversos julgados adotando a tese da aplicabilidade[24].

O Tribunal Superior do Trabalho (TST), na Instrução Normativa 39/2016, definiu os artigos do Novo Código de Processo Civil/2015 que, no entender do Colegiado, se aplicam aos processos trabalhistas, merecendo destaque o seguinte excerto:

Art. 7° Aplicam-se ao Processo do Trabalho as normas do art. 332 do CPC, com as necessárias adaptações à legislação processual trabalhista, cumprindo ao juiz do trabalho julgar liminarmente improcedente o pedido que contrariar: I – enunciado de súmula do Supremo Tribunal Federal ou do Tribunal Superior do Trabalho (CPC, art. 927, inciso V); II - acórdão proferido pelo Supremo Tribunal Federal ou pelo Tribunal Superior do Trabalho em julgamento de recursos repetitivos (CLT, art. 896-B; CPC, art. 1046, § 4º); III - entendimento firmado em incidente de resolução de demandas repetitivas ou de assunção de competência; IV - enunciado de súmula de Tribunal Regional do Trabalho sobre direito local, convenção coletiva de trabalho, acordo coletivo de trabalho, sentença normativa ou regulamento empresarial de observância obrigatória em área territorial que não exceda à jurisdição do respectivo Tribunal (CLT, art. 896, “b”, a contrario sensu).

Parágrafo único. O juiz também poderá julgar liminarmente improcedente o pedido se verificar, desde logo, a ocorrência de decadência. (grifo nosso)

Em sede doutrinária, em prol da aplicabilidade, se expressa Luciano Athayde Chave[25]:

 Não vejo, contudo, motivo para não a recepcionar, tampouco para desconsiderar a sua compatibilidade com o Direito Judiciário do Trabalho, já que se trata de um instituto inovador, que também não encontra similar no corpo normativo processual especializado em vigor. Em primeiro lugar, a nova legislação ostenta a rara qualidade de enfrentar, sem preconceito, uma difícil realidade do Poder Judiciário brasileiro, imerso, em boa medida, numa pletora de processos que apresentam pretensões - individuais ou coletivas - repetitivas, cujo teor já se conhece. [...] Agora, com a nova legislação, envolvendo a lide matéria unicamente de direito e havendo no Juízo precedentes dando pela rejeição do pedido, pode o Juiz proferir sentença de mérito em igual sentido, antes mesmo da citação do réu, adotando os mesmos fundamentos dos precedentes. [...] O Processo do Trabalho, como também consignado, não possui instituto semelhante, atraindo a aplicação do art. 769 da Consolidação, máxime quando a medida guarda compatibilidade com os preceitos ali contidos, especialmente o princípio da concentração e celeridade.

No mesmo rumo, segue Diego Cunha Maeso Montes[26] para quem o artigo em lupa “é perfeitamente compatível com o processo do trabalho, podendo ter importante aplicação na Justiça do Trabalho notadamente a mais célere do país, que sempre agasalha normas que confortem sua teleologia.” O citado autor [27]fornece exemplo prático de aplicação do artigo em comento:

Determinado trabalhador ingressa com uma reclamatória trabalhista contra a União Federal, afirmando sido contratado por prazo indeterminado após a promulgação da CF/88, para o exercício de função que não caracterize excepcional interesse público. Admite não ter prestado concurso público, reconhecendo o correto recebimento dos salários (respeitado o valor do mínimo), o mesmo ocorrendo com os depósitos de FGTS em sua conta vinculada. Requer o reconhecimento de vínculo jurídico de emprego entre as partes bem como o pagamento das demais parcelas decorrentes do liame empregatício. Se o entendimento do magistrado for aquele cristalizado na Súmula n. 363 (A contratação de servidor público, após a Constituição de 1988, sem prévia aprovação em concurso público, encontra óbice no seu art. 37, II, e § 2º, somente conferindo-lhe direito ao pagamento dos dias efetivamente trabalhados segundo a contraprestação pactuada.) do E. TST, o processo poderia ser julgado improcedente, independentemente a citação do réu. [...].

Na mesma trilha, o posicionamento de José Augusto Rodrigues Pinto[28]:

Se formos considerar o disposto no artigo 285-A, comparativamente ao que está nos arts. 839 e seguintes da CLT, modeladores do sistema de constituição da relação jurídica de processo nos respectivos dissídios, perceberemos, sem dificuldade, o avanço da norma de direito comum na direção da simplicidade sistêmica em favor da celeridade e efetividade do processo. Justo, por isso, é concluir que a nova norma em comentário do CPC é muito mais compatível com o sistema processual trabalhista do que a velha que permanece na CLT. Isto nos permite ousar o pensamento de que, em prol da modernidade, que marcha cada vez mais a braços com a efetividade do processo, possa o juízo trabalhista, mesmo sem perder a consciência do sentido conjunto da regra composta do art. 769 da CLT, forçar a aplicação supletiva do art. 285-A do CPC nos seus dissídios, pondo ênfase no parâmetro da compatibilidade, a fim de precipitar a revisão, pelo legislador trabalhista, do sistema pelo qual responde. A não ser feito assim, ficar-se-á à mercê da sensibilidade exclusiva do legislador para acionar a modernização do seu sistema, antes que seja pressionado a fazê-Io pelo realismo dos fatos.

Mauro Schiavi[29], posicionando-se favorável a aplicação do art. 285-A do CPC/73 no processo do trabalho e apontando medidas para superar os óbices apontados pela corrente que entende inviável a citada utilização, arremata:

Embora o Processo do Trabalho seja um procedimento de partes (arts. 843 e 844 da CLT), em caso de matéria de direito, o comparecimento do autor somente se dá para se evitar o arquivamento e o comparecimento do réu, para evitar a revelia. Embora no Processo do Trabalho não exista o despacho de recebimento da inicial e o Juiz tome contato com o Processo somente em audiência, nada impede que o Juiz adote o procedimento de despachar a inicial e sanear o Processo antes da audiência, como já o fazem alguns Juízes do Trabalho. Acreditamos que, com a aplicabilidade do art. 285-A do CPC, o Juiz não está descaracterizando o Processo do Trabalho, mas apenas adaptando-o aos novos rumos da racionalidade, efetividade e celeridade processual, princípios estes tão cobrados da Justiça do Trabalho na atualidade.

Por fim, adotando posição intermediária, José Cairo Júnior[30], defende a aplicação do art. 285-A do CPC/73 no processo laboral, desde que antes seja oportunizada às partes a possibilidade de conciliarem-se. Veja-se:

Este dispositivo pode ser aplicado ao processo laboral com algumas modificações. Como existe a necessidade da realização da audiência, para atender ao princípio da conciliação, e considerando que o juiz do trabalho não despacha a petição inicial, a sentença de improcedência pode ser proferida, repetindo um caso pretérito, após formular proposta de conciliação às partes.

No nosso sentir, embora a proposta do citado autor procure conciliar a utilização do art. 285-A do CPC/73 com o devido respeito aos princípios processuais trabalhistas, sobretudo o da conciliação, a postura sugerida (somente aplicar após a tentativa de conciliar as partes) desfigura o instituto processual civil em comento, que prevê o julgamento liminar de improcedência (inaudita altera pars), resguardando o ingresso do réu na relação processual para o caso de interposição de recurso de apelação pelo autor.

3.1 Análise Crítica

No nosso entender, os empecilhos listados para argumentar contra a aplicabilidade do art. 285-A do CPC/73 no processo laboral não se sustentam ante a necessidade de promover celeridade e efetividade e de assegurar aos jurisdicionados o direito fundamental a razoável duração do processo. O direito processual possui caráter instrumental ante o direito material e qualquer inovação legislativa que traga avanços na prestação jurisdicional, promovendo o rápido acesso ao bem da vida buscado, é bem-vinda e deve ser utilizada.

Diante da força normativa que dispõem os princípios constitucionais processuais, sobretudo o da razoável duração do processo e o do acesso à ordem jurídica justa, não se pode privilegiar qualquer visão que defenda uma interpretação da CLT que se divorcie dos princípios citados e priorize a formalidade em detrimento da efetividade.

Nessa esteira, Mauro Schiavi[31] aduz que:

Assim, como o Direito Material do Trabalho adota do princípio protetor, que tem como um dos seus vetores a regra da norma mais benéfica, o Direito Processual do Trabalho, por ter caráter protetivo e por ser um direito acima de tudo instrumental, com maiores razões que o direito material, pode adotar o princípio da norma mais benéfica, e diante de duas regras processuais que podem ser aplicadas à mesma hipótese, escolher a mais efetiva, ainda que seja a do Direito Processual Civil e seja contrária à CLT.

Ademais, não existe regra no processo trabalhista que impeça o magistrado de examinar a petição inicial antes da audiência, embora se reconheça que o considerável número de demandas ajuizadas na Justiça Laboral milite contra tal postura. Apesar disso, os juízes poderiam indicar aos serventuários que procedessem à análise prévia, antes de procederem à notificação do reclamado, separando aquelas demandas cuja matéria seja unicamente de direito e o juízo já tenha se manifestado pela total improcedência, permitindo ao juiz prolatar sentença liminar de improcedência, aniquilando, já no nascedouro, as demandas repetitivas, mediante utilização do instituto previsto no art. 285-A do CPC/73.

Na dicção do art. 765 da CLT percebe-se claramente a preocupação do legislador com a celeridade processual no âmbito trabalhista ao prevê que os Juízos e Tribunais do Trabalho terão ampla liberdade na direção do processo e velarão pelo andamento rápido das causas, podendo determinar qualquer diligência necessária ao esclarecimento delas.

Nesse passo, o art. 285-A se apresenta como importante instrumento a ser utilizado na busca deste desiderato, justificando-se sua aplicabilidade na esfera processual laboral.

Ressalve-se que a busca pela celeridade no processo do trabalho é ainda mais acentuada que no processo civil, certamente por conta do bem da vida buscada neste ramo processual (geralmente prestações de natureza alimentícia) e a utilização do art. 285-A do CPC/73 pelo juiz trabalhista certamente contribuiria para atingir tal desiderato.

O diálogo de fontes, no caso da aplicação do art. 285-A do CPC/73 na esfera processual trabalhista, é recomendável, para não dizer necessária, ante o dever do Estado em ofertar tutela jurisdicional sem dilações indevidas. Assim, não há espaço para apego a formalismos processuais desnecessários.

Nesse sentido os ensinamentos de Carlos Henrique Bezerra Leite[32]:

De outro giro, é imperioso romper com o formalismo jurídico e estabelecer o diálogo das fontes normativas infraconstitucionais do CPC e da CLT, visando à concretização do princípio da máxima efetividade das normas (princípios e regras) constitucionais de direito processual, especialmente o novel princípio da “duração razoável do processo com os meios que garantam a celeridade de sua tramitação” (C 45/2004, art. 5°, LXXVII). Ademais, se o processo nada mais é do que instrumento de realização do direito material, é condição necessária a aplicar as normas do CPC que, na prática, impliquem a operacionalização do princípio da máxima efetividade da tutela jurisdicional, que tem no princípio da celeridade uma de suas formas de manifestação. [...] Isso significa que as normas do processo civil, desde que impliquem maior efetividade à tutela jurisdicional dos direitos sociais trabalhistas, devem ser aplicadas nos domínios do processo do trabalho como imperativo de promoção do acesso do cidadão-trabalhador à jurisdição justa.

De outra banda, diante da extensão da competência da Justiça do Trabalho, promovida pela EC nº 45, resta evidente que o número de causas instauradas irá aumentar exponencialmente, importando dotar o magistrado trabalhista de instrumento disponível no CPC que lhe possibilite dar pronta resposta inviabilizadora das demandas repetitivas (que contenham as mesmas teses jurídicas, com mérito já apreciado anteriormente) dando cabo a ações que somente contribuem para o congestionamento do Judiciário e recrudescimento da “crise”, minando a confiabilidade da sociedade na função jurisdicional.

À luz do que preleciona Carlos Henrique Bezerra Leite[33]:

Há certo consenso no sentido de que todas as fases reformistas tiveram por escopo a efetividade do processo, o que implica em certa medida o reconhecimento da relativização do dogma da autonomia do processo do trabalho nos casos em que o art. 769 da CLT representar, na prática, descompromisso com a efetividade, porquanto a morosidade processual favorece os mais ricos (empregadores) em detrimento dos mais pobres (trabalhadores, sendo estes últimos certamente os mais prejudicados com a intempestividade da prestação jurisdicional.

Em arremate, precisas as palavras de José Augusto Rodrigues Pinto[34]:

Isto nos permite ousar o pensamento de que, em prol da modernidade, que marcha cada vez mais a braços com a efetividade do processo, possa o juízo trabalhista, mesmo sem perder a consciência do sentido conjunto da regra composta do art. 769 da CLT, forçar a aplicação supletiva do art. 285-A do CPC nos seus dissídios, pondo ênfase no parâmetro da compatibilidade, a fim de precipitar a revisão, pelo legislador trabalhista, do sistema pelo qual responde. A não ser feito assim, ficar-se-á à mercê da sensibilidade exclusiva do legislador para acionar a modernização do seu sistema, antes que seja pressionado a fazê-Io pelo realismo dos fatos.

Assim, no nosso sentir, é plenamente possível a aplicabilidade da norma do art. 285-A do CPC/73 ao processo trabalhista, desde que presentes seus requisitos, ou seja, matéria controvertida unicamente de direito e existência de outras decisões já proferidas em casos idênticos.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Neste trabalho procurou-se verificar se o instituto processual de rejeição liminar do pedido, previsto atualmente no art. 332 do CPC/2015 (art. 285-A, CPC/73) pode ser aplicado na seara processual trabalhista.

Foram expostas as teses favoráveis e desfavoráveis à utilização do citado instituto no âmbito processual trabalhista. Viu-se que a corrente que defende a inaplicabilidade sustenta que não há omissão na CLT que permita a utilização pretendida. O processo do trabalho, nesta visão, tem rito próprio, exige o comparecimento das partes, pois o juiz do trabalho somente tem contato com o processo em audiência e valoriza o princípio conciliatório. Assim, segundo os defensores desta tese, a aplicabilidade da rejeição liminar do pedido (art. 285-A, CPC/73 e art. 332, CPC/2015) no processo trabalhista se mostra ofensiva aos princípios que o regem, promovendo a descaracterização do rito procedimental específico, que não prevê despacho inicial e o saneador.

De outra via, viu-se que outra corrente aposta na total compatibilidade do instituto da rejeição liminar do pedido na esfera processual trabalhista, forte na instrumentalidade deste ramo processual; na racionalidade e efetividade ofertada ao procedimento pela utilização pretendida e por sua compatibilidade com o rito procedimental trabalhista, que sempre primou pela celeridade e efetividade.

Do exposto, diante da força dos argumentos favoráveis à aplicabilidade, concluiu-se que a utilização da técnica do julgamento liminar de improcedência nas demandas repetitivas, é instrumento eficaz na busca pela celeridade processual prometida em sede constitucional e encontra terreno fértil no âmbito do processo trabalhista, visto que compatível com os princípios que o regem e a finalidade que persegue (entrega de prestação jurisdicional adequada, efetiva e tempestiva), configurando importante diálogo de fontes a resultar na redução da marcha processual das demandas repetitivas, fadadas desde o início à improcedência, contribuindo para desafogar a Justiça Laboral e dar efetividade ao direito fundamental à razoável duração do processo.

REFERÊNCIAS

CHAVES,Luciano Athayde. A Recente Reforma no Processo Comum - Reflexos no Direito Judiciário do Trabalho”, São Paulo: LTr, 2006, 2ª edição.

CUNHA, Leonardo José Carneiro da. Primeiras impressões sobre o art. 285-A do CPC (Julgamento imediato de processos repetitivos: uma racionalização para as demandas de massa). Revista Dialética de Direito Processual. N.39. São Paulo: Dialética, 2006.

______. A Fazenda Pública em juízo. 8ª ed. São Paulo: Dialética, 2010.

DELGADO, Maurício Godinho. Direito do trabalho e processo do trabalho: Critérios para a importação de regras legais civis e processuais civis. Revista Magister de direito trabalhista e previdenciário, n. 18, maio-junho/2007.

DINAMARCO, Cândido Rangel. Instituições de Direito Processual Civil. vol. 1, editora Malheiros, Rio de Janeiro: 2005.

______. Nova Era do Processo Civil. 1º edição, editora Malheiros, Rio de Janeiro: 2005.

JÚNIOR, José Cairo. Curso de Direito Processual do Trabalho. 4ª Ed. Salvador: Juspodivm, 2011.

KOEHLER, Frederico Augusto Leopoldino. A razoável duração do processo. Salvador: Juspodivm, 2009.

LEITE, Carlos Henrique Bezerra. Curso de Direito Processual do Trabalho - 5ª Ed. – São Paulo: LTr, 2007.

LIMA FILHO, Francisco das Chagas. Violação à Cláusula Constitucional do Devido Processo Legal pela Lei n. 11.277/06. Inaplicabilidade ao Processo Laboral. Revista de Direito Processual do Trabalho: Reforma e Efetividade, São Paulo: LTr, 2007.

MAIOR, Jorge Souto. Reflexos das alterações do Código de Processo Civil no processo do trabalho. Revista LTr, nº 70-2008.

MALLET, Estevão. O processo do trabalho e as recentes modificações do Código de Processo Civil. Revista LTr nº 70-2006.

MARINONI, Luiz Guilherme. Novas linhas do processo civil. 2ª ed., São Paulo: Malheiros, 1996.

______. Código de Processo Civil comentado artigo por artigo. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2008.

______. Curso de Processo Civil. Vol. 2. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010.

______. Ações Repetitivas e Julgamento Liminar. Disponível em: . Acesso em: 19 de novembro de 2018.

MONTES, Diego Cunha Maeso. O princípio do contraditório e a Lei n. 11.277/06 (art. 285-A do CPC) -utilização no procedimento  da ação rescisória - Aplicabilidade na Justiça do Trabalho. Disponível em:

< https://bdjur.stj.jus.br/jspui/bitstream/2011/35317/principio_contraditorio.pdf>Acesso em: 18 de novembro de 2018.

NERY JR, Nelson; NERY, Rosa Maria de Andrade. Código de processo civil comentado. 9 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006.

PINTO, José Augusto Rodrigues. Constitucionalidade e supletividade do artigo 285-A do CPC. Disponível em: < https://bdjur.stj.jus.br/jspui/handle/2011/35331 >  Acesso em: 19 de novembro de 2018.

SCHIAVI, Mauro. Manual de direito processual do trabalho. 2ª ed., São Paulo, LTR, 2009.

______. Os princípios do direito processual do trabalho e a possibilidade de aplicação subsidiária do CPC quando há regra expressa da CLT em sentido contrário. Disponível em: <: https://hdl.handle.net/20.500.12178/2273 > Acesso em 19 de novembro de 2018.

NOTAS:

[1] A constitucionalidade do atual dispositivo também já foi questionada pela doutrina. Confira-se:

“O CPC 332, tal qual ocorria com o CPC/1973 285-A, é inconstitucional por ferir as garantias da isonomia (CF 5.º caput e I), da legalidade (CF 5.º II), do devido processo legal (CF 5.º caput e LIV), do direito de ação (CF 5.º XXXV) e do contraditório e ampla defesa (CF 5.º LV), bem como o princípio dispositivo, entre outros fundamentos, porque o autor tem o direito de ver efetivada a citação do réu, que pode abrir mão de seu direito e

submeter-se à pretensão, independentemente do precedente jurídico de tribunal superior ou de qualquer outro tribunal, ou mesmo do próprio juízo. Relativamente ao autor, o contraditório significa o direito de demandar e fazer-se ouvir, inclusive produzindo provas e argumentos jurídicos e não pode ser cerceado nesse direito fundamental. De outro lado, o sistema constitucional não autoriza a existência de “súmula vinculante” do STJ nem dos TJs ou TRFs, menos ainda do juízo de primeiro grau, impeditiva da discussão do mérito de acordo com o due process. Em sentido contrário, tratando do CPC/1973 285-A: Bruno Vianna Espírito Santo.”

Nelson Nery Jr e Rosa Maria de Andrade Nery. Comentários ao código de processo civil [livro eletrônico] -- São Paulo; Editora RT. 2015.

[2] KOEHLER, Frederico Augusto Leopoldino. A razoável duração do processo. Salvador: Juspodivm, 2009, p.19.

[3] DINAMARCO, Cândido Rangel. Instituições de Direito Processual Civil. vol. 1, editora Malheiros, Rio de Janeiro: 2005, p. 134.

[4] CUNHA, Leonardo José Carneiro da. A Fazenda Pública em juízo. 8ª ed. São Paulo: Dialética, 2010, pgs. 108/109.

[5] MARINONI, Luiz Guilherme. Ações Repetitivas e Julgamento Liminar. Disponível em: . Acesso em: 19 de novembro de 2018.

[6] Ob. cit.

[7] NERY JR, Nelson; NERY, Rosa Maria de Andrade. Código de processo civil comentado. 9 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006, p.482.

[8] SCHIAVI, Mauro. Manual de direito processual do trabalho. 2ª ed., São Paulo, LTR, 2009, p. 85.

[9] Ob. Cit.

[10] LEITE, Carlos Henrique Bezerra. Curso de Direito Processual do Trabalho - 5ª Ed. – São Paulo: LTr, 2007, p. 94.

[11] SCHIAVI, Mauro. Manual de direito processual do trabalho. 2ª ed., São Paulo, LTR, 2009, p. 108.

[12] LEITE, Carlos Henrique Bezerra. Curso de Direito Processual do Trabalho - 5ª Ed. – São Paulo: LTr, 2007, p. 80.

[13] Art. 846 - Aberta a audiência, o juiz ou presidente proporá a conciliação. (Redação dada pela Lei nº 9.022, de 5.4.1995).

[14] Art. 850 - Terminada a instrução, poderão as partes aduzir razões finais, em prazo não excedente de 10 (dez) minutos para cada uma. Em seguida, o juiz ou presidente renovará a proposta de conciliação, e não se realizando esta, será proferida a decisão.

[15] SCHIAVI, Mauro. Manual de direito processual do trabalho. 2ª ed., São Paulo, LTR, 2009, p. 94.

[16] LEITE, Carlos Henrique Bezerra. Curso de Direito Processual do Trabalho - 5ª Ed. – São Paulo: LTr, 2007, p. 81.

[17] Ob. cit.

[18] MAIOR, Jorge Souto. Reflexos das alterações do Código de Processo Civil no processo do trabalho. Revista LTr, nº 70-2008, p. 927/928.

[19] JÚNIOR, José Cairo. Curso de Direito Processual do Trabalho. 4ª Ed. Salvador: Juspodivm, 2011, p. 62.

[20] MALLET, Estevão. O processo do trabalho e as recentes modificações do Código de Processo Civil. Revsita LTr nº 70-2006, p. 672

[21] DELGADO, Maurício Godinho. Direito do trabalho e processo do trabalho: Critérios para a importação de regras legais civis e processuais civis. Revista Magister de direito trabalhista e previdenciário, n. 18, maio-junho/2007.

[22] LIMA FILHO, Francisco das Chagas. Violação à Cláusula Constitucional do Devido Processo Legal pela Lei n. 11.277/06. Inaplicabilidade ao Processo Laboral. Revista de Direito Processual do Trabalho: Reforma e Efetividade, São Paulo: LTr, 2007.

[23] SCHIAVI, Mauro. Manual de direito processual do trabalho. 2ª ed., São Paulo, LTR, 2009, p. 615.

[24] Por oportuno, cite-se a seguinte ementa de acórdão do Tribunal regional do Trabalho da 12ª Região:

“ART. 285-A DO CPC. APLICABILIDADE AO PROCESSO DO TRABALHO. O art. 285-A do CPC está em perfeita consonância com o direito processual do trabalho, pois respeita os princípios da imediatidade, da concentração dos atos, da instrumentalidade, da duração razoável do processo, da economia processual, da transcendência e da celeridade processual”. 

[25] CHAVES,Luciano Athayde. A Recente Reforma no Processo Comum - Reflexos no Direito Judiciário do Trabalho”, São Paulo: LTr, 2006, 2ª edição, p. 125-128.

[26] MONTES, Diego Cunha Maeso. O princípio do contraditório e a Lei n. 11.277/06 (art. 285-A do CPC) - utilização no procedimento  da ação rescisória - Aplicabilidade na Justiça do Trabalho. Disponível em: < https://bdjur.stj.jus.br/jspui/bitstream/2011/35317/principio_contraditorio.pdf >. Acesso em: 18 de novembro de 2018.

[27] Ob. Cit.

[28] PINTO, José Augusto Rodrigues. Constitucionalidade e supletividade do artigo 285-A do CPC. Disponível em: < https://bdjur.stj.jus.br/jspui/handle/2011/35331 >  Acesso em: 19 de novembro de 2018.

[29] SCHIAVI, Mauro. Manual de direito processual do trabalho. 2ª ed., São Paulo, LTR, 2009, p. 615.

[30] JÚNIOR, José Cairo. Curso de Processo do Trabalho. 4. Ed. Salvador: Juspodivm, 2011, p. 510.

[31] SCHIAVI, Mauro. Os princípios do direito processual do trabalho e a possibilidade de aplicação subsidiária do CPC quando há regra expressa da CLT em sentido contrário. Disponível em: <: https://hdl.handle.net/20.500.12178/2273 > Acesso em 19 de novembro de 2018..

[32] LEITE, Carlos Henrique Bezerra. Curso de Direito Processual do Trabalho - 5ª Ed. – São Paulo: LTr, 2007 - Pg. 100

[33] Ob. Cit.

[34] PINTO, José Augusto Rodrigues. Constitucionalidade e supletividade do artigo 285-A do CPC. Disponível em: < https://bdjur.stj.jus.br/jspui/handle/2011/35331 >  Acesso em: 19 de novembro de 2018.

 


Conforme a NBR 6023:2000 da Associacao Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), este texto cientifico publicado em periódico eletrônico deve ser citado da seguinte forma: SOUZA, Adailton Alves de. Rejeição liminar do pedido no Processo do Trabalho. Conteudo Juridico, Brasilia-DF: 06 dez. 2018. Disponivel em: <http://www.conteudojuridico.com.br/?artigos&ver=2.591520>. Acesso em: 14 dez. 2018.

  • Versão para impressão
  • Envie por email
  • visualizações48 visualizações
  • topo da página


Artigos relacionados: