Colunistas
Segunda, 08 de Abril de 2019 05h
LUIZ FLÁVIO GOMES: Deputado Federal por São Paulo (2019-2023) - é professor e jurista, Doutor em Direito pela Universidade Complutense de Madri e Mestre em Direito Penal pela USP. Exerce o cargo de Diretor-presidente do Instituto Avante Brasil. Atuou nas funções de Delegado, Promotor de Justiça, Juiz de Direito e Advogado. Atualmente, dedica-se a ministrar palestras e aulas e a escrever livros e artigos sobre temas relevantes e atuais do cotidiano.



Duas revoluções: entenda a guerra entre Olavo de Carvalho e Paulo Guedes

 

Vida é vontade de potência, de força, de luta, de combate (Nietzsche). Quem luta por uma revolução luta por uma forma de vida. E tudo que vive sempre quer ser hoje mais do que ontem. A própria essência da vida, sobretudo quando revolucionária, é o expandir, é o conquistar mais, ir mais longe, avançar, progredir, ocupar mais espaços, mais protagonismo.

Com a crise das ideologias (da direita e da esquerda, do comunismo, da democracia-liberal) abriu-se um vácuo no poder. Duas revoluções em curso estão querendo ocupar esse espaço. Tendo Demétrio Magnoli (https://www1.folha.uol.com.br/colunas/demetriomagnoli/2019/03/para-paulo-entender-olavo.shtml) como ponto de partida, eis as duas visões de mundo (que não são, evidentemente, as únicas):

Paulo Guedes (PG)  X Olavo de Carvalho (OC)

Paulo Guedes (PG) perguntou a Olavo de Carvalho (OC): “Por que o líder dispara contra a revolução que inspirou”? ? A revolução do OC não é a mesma revolução do PG. Mais: são coisas conflitantes, que estão em guerra. OC não é líder da revolução de PG.

PG defende o liberalismo econômico radical (Estado mínimo, fim do bem-estar social etc). ? OC defende um passado mítico, com soberanias absolutas, hierarquias patriarcais + liberdades naturais, como colono armado.

O liberalismo do PG é o do século 19, recrudescido a partir dos anos 70-80 (com Reagan e Thatcher). ? A revolução de OC inspira-se em algo muito anterior, perdido no tempo.

A Escola de Chicago é sua fonte (Milton Friedman é um dos guias). ? OC tem como fonte o conservadorismo europeu + o nativismo individualista americano.

“Dirigentes de empresa não podem ter nenhuma responsabilidade social que não seja dinheiro para os acionistas” (M. Friedman). ? É preciso combater o envenenamento cultural provocado pelas bactérias do Iluminismo. Daí nasceu a direita nacionalista (alt-right).

O liberalismo econômico radical é uma ideologia que não prega mudanças nos costumes. ? Os liberais globalistas (adeptos da globalização e do livre mercado mundial) estão associados aos marxistas e conspiram contra os povos.

PG não tem nada de marxista. ? Mas OC fuzilaria ele junto com os comunistas e marxistas (teoricamente).

O liberalismo de PG pretende a privatização de tudo, “tudo, tudo” (ele disse). ? A revolução de OC é um populismo fundado em valores tradicionais (família tradicional, patriarcalismo tradicional, nação unificada, etc).

Afirma-se que o Estado intervencionista é ineficiente e burocratizado. O Mercado seria lépido e criativo. Por si só resolveria os problemas da nação. ? A revolução de OC é uma guerra cultural permanente (não especificamente econômica). Não pode parar e assim mantém seus seguidores.

A economia deve ser liberalizada unilateralmente, estimulando-se a competitividade. ? OC clama por uma utopia: a volta dos ponteiros da História a uma Idade de Ouro imaginária”.

Mercado acima de tudo, sem regulamentação. ? Deus acima de tudo.

Reformas da previdência e do Estado, corte de gastos, para que o Mercado tenha prosperidade total. ? Denúncia contínua dos traidores da causa, adeptos do marxismo cultural. A guerra permanente exige atualizar o discurso das campanhas em todo momento. Nunca deixa de ter um inimigo para manter acesa a chama ideológica.

Governabilidade regida pelas leis do mercado e da mão invisível que tudo soluciona. ? Perene ingovernabilidade (falta de coesão, perda da autoridade e da capacidade de agregação). Separar para mandar.

Reforma previdenciária como ato inaugural do liberalismo radical. ? Falta de coesão parlamentar e de consensos para aprovar reformas.

PG joga em favor do Mercado (que é um segmento elitizado da sociedade). ? O governo populista, patriótico e nacionalista dificilmente abandona seus seguidores fieis.

Uma terceira visão de mundo vem de Raghuram Rajam, da Universidade de Chicago, ex-economista-chefe do FMI e ex-presidente do Banco Central da Índia. Seu livro (O terceiro pilar) agrega ao Estado e ao Mercado a Comunidade. Trata-se de uma visão humanista (inclusiva) que vamos aprofundar em outro artigo.


Conforme a NBR 6023:2000 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), este texto científico publicado em periódico eletrônico deve ser citado da seguinte forma: GOMES, Luiz Flávio. Duas revoluções: entenda a guerra entre Olavo de Carvalho e Paulo Guedes. Conteúdo Jurídico, Brasília-DF: 08 abr. 2019. Disponível em: <http://www.conteudojuridico.com.br/?colunas&colunista=4840_&ver=2991>. Acesso em: 19 maio 2019.

visualizações113 visualizações
topo da página