Colunistas
Terça, 05 de Julho de 2016 04h15
WILLIAM DOUGLAS: Juiz Federal, Titular da 4ª Vara Federal de Niterói - Rio de Janeiro; Professor Universitário; Mestre em Direito, pela Universidade Gama Filho - UGF; Pós-graduado em Políticas Públicas e Governo - EPPG/UFRJ; Bacharel em Direito, pela Universidade Federal Fluminense - UFF; Conferencista da Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro - EMERJ; Professor Honoris Causa da ESA - Escola Superior de Advocacia - OAB/RJ; Professor da Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getúlio Vargas - EPGE/FGV; Membro das Bancas Examinadoras de Direito Penal dos V, VI, VII e VIII Concursos Públicos para Delegado de Polícia/RJ, sendo Presidente em algumas delas; Conferencista em simpósios e seminários; Autor de vários livros. Site: www.williamdouglas.com.br



As maldades de sempre: a falácia da suspensão dos concursos

Os concurseiros de primeira viagem estão desanimados com as notícias de que não ocorrerão concursos. Se você é um deles, leia este texto.

Não sofra com as maldades de quem deveria ajudar, mas atrapalha. Não se deixe desanimar pelas falas pouco sábias de nossos governantes. E, menos ainda, pela miopia administrativa que os assola. Pior, este tipo de mentalidade mantém-se viva tanto em governos do PT quanto do PMDB. Pior que eles, anoto, só o PSDB, que historicamente é aquele que menos realiza concursos. E, mesmo assim, pasmem: os realiza. Sim, é certo que alguns administradores canhestros, de todos os partidos, gostariam de acabar com os concursos. Preferiam colocar nos cargos amigos, parentes, amantes, cabos eleitorais e desocupados incompetentes, coisa que fazem com boa parte dos cargos comissionados. Porém, felizmente, em todos os partidos há aqueles que leem a Constituição e sabem que não há como fugir disso: os concursos precisam ser realizados. Adiou aqui, acumulou mais um para fazer ali, daqui a pouco.

A pequenez mental ultrapassa a mera tentativa de não cumprir a Constituição. Ela ignora que os servidores ou aumentam a arrecadação e combatem o crime e o custo Brasil, como auditores-fiscais e do trabalho, policiais e advogados públicos, ou cumprem as missões constitucionais, como professores, médicos, enfermeiros e defensores públicos. Em suma, falta a muitos exercentes do poder compreender que o problema do país não são os servidores concursados, mas aqueles que, sem concurso, cuidam mais dos próprios interesses, ou do seu partido, ou de seu patrimônio ilicitamente obtido, e não dos interesses da população.

Porém, falemos da mais uma vez anunciada “suspensão dos concursos”.

Historicamente, sempre que o orçamento do Governo Federal aperta um pouco, surge logo a notícia de que os concursos serão suspensos. A notícia é veiculada assim, genericamente, pela imprensa não especializada. Isso induz centenas de milhares de cidadãos a desistirem de se preparar para os concursos. Essa desinformação, contudo, não assusta a quem conhece a área. Se você, como eu, estivesse há anos nesse meio, saberia que essas obscenidades não vão impedir os concursos.

Os concursos, por maior que seja a crise, continuam e precisarão continuar a ser realizados. São mais de cinco mil Municípios, 27 Estados e DF, autarquias, empresas públicas, sociedades de economia mista, Poder Judiciário e Legislativo, todos dotados ou de orçamento próprio, ou de autonomia ou, o caso mais grave, de demanda inadiável de servidores. Portanto, mesmo quando o Governo Federal suspende eventualmente seus concursos, isto atinge apenas o Poder Executivo da União, mas não os outros Poderes, e menos ainda os Estados, DF, Municípios e entidades diversas. E não impede os óbitos e aposentadorias de servidores federais, que regularmente criam mais vagas a serem preenchidas.

A análise dos concursos no âmbito do Poder Executivo da União também merece atenção. Sempre que suspensões foram anunciadas, dois fenômenos aconteceram, e vão se repetir: primeiro, foram abertas exceções para as instituições e cargos onde a demanda era mais urgente; segundo, passado algum tempo, os concursos voltaram a ser realizados, e com número de vagas maior.

Em suma, mesmo que a limitação intelectual de alguns governantes e administradores públicos coloque os concursos como “problema”, e não como “solução”, os certames públicos não são convocados quando há sobra de caixa, mas sim quando “não tem mais jeito”, quando a máquina pública está estrangulada por falta de pessoal. Diversos setores têm enorme carência, que é agravada pela enorme quantidade de aposentadorias anuais, devido à elevada faixa etária média dos servidores.

Alguns governos realizam mais concursos, outros menos, mas todos precisam realizá-los. Não há como parar os concursos: não haverá fiscal para cobrar impostos, policial para cuidar da segurança, professor para ensinar, pessoal de saúde para atender à população e por aí vai. Recentemente foi realizado um concurso para técnico do INSS, cuja carência é enorme. Os quase mil candidatos que serão selecionados não suprirão nem 10% da carência do órgão. Basta ir a qualquer posto de atendimento, onde para cada dez baias de atendimento disponíveis, apenas uma ou no máximo duas estarão ocupadas. Essa situação de carência de servidores cria dor e sofrimento para a população e, mais cedo ou mais tarde, tem que ser resolvida.

Some-se a este quadro a feliz atuação dos Tribunais de Contas, os quais vêm cumprindo seu dever de impedir as inconstitucionais terceirizações, que desrespeitam a CF, abrem espaço para malandragens e, pior, são mais custosas ao Erário do que a contratação de servidores efetivos. Todo ano mais concursos são determinados, mais cargos criados e o aumento orgânico da população traz mais demandas a serem atendidas.

Entrando, agora, na objetividade vamos aos fatos e aos números:

 dezembro de 2007, a CPMF cai e o governo declara que os concursos serão suspensos. Resultado: no ano seguinte, 2008, houve dezenas de milhares de vagas para mais de oito mil provas diferentes, com provas realizadas em 2008;

 março de 2011, o Governo Federal anuncia a suspensão dos concursos. Resultado: em 2011 e 2012 houve centenas de milhares de vagas, em mais de 27 mil provas diferentes (12 mil em 2011 e 15 mil em 2012), com provas realizadas em 2011 e 2012;

 final de 2015, o Governo anuncia a suspensão dos concursos para 2016. Resultado: em 2016, e ainda estamos em junho, já tivemos concursos para preenchimento de dezenas de milhares de vagas, em mais de 10 mil provas já realizados. Em 2016, tivemos mais de 80 concursos na área fiscal, para o INSS tivemos 900 vagas, e por aí vai.

Logo, amigos, a verdade é que, em geral, infelizmente não se pode confiar no Governo, que não cumpre o que promete. No caso dos concursos, felizmente também não podemos confiar quando promete a sua suspensão. Dizemos “felizmente” menos pelos concurseiros e mais pelas pessoas que precisam dos serviços públicos. O governo adia, atrasa, enrola, mas acaba tendo que fazer os concursos. As vagas estão em aberto e há um momento em que não existe outra solução. Então, os concursos são realizados.

O dano causado é grande: primeiro à população; segundo, aos cidadãos que poderiam optar pelos concursos e desanimam. Há, porém, uma classe de pessoas que não é prejudicada, mas, na verdade, beneficiada: os concurseiros “cascudos”, ou mais antigos ou mais bem orientados. Eles são os que utilizam esses tempos de “vacas magras” nos editais para prosseguir nos estudos. Eles não desistem nem reduzem o ritmo de estudos, treinos, simulados e tudo o mais. Assim, enquanto a maior parte das pessoas permanece inerte e desesperançada, varam dias e noites, dias comuns, finais de semana e feriados... estudando e treinando. Durante esse período, andam quilômetros e quilômetros na estrada do conhecimento, que é aquela que conduz à aprovação.

O país precisa de muita coisa, listarei algumas: mais servidores, mais valorizados e treinados; sistema de eliminação mais eficiente de servidores preguiçosos e/ou corruptos; sistemas de premiação por alto desempenho; desenvolvimento de liderança, gestão e inovação no serviço público; sistemas que impeçam políticos (e parentes) sem experiência alguma de assumirem funções técnicas; sistemas que impeçam o aparelhamento dos órgãos e funções públicas a fim de que sirvam ao Estado e à Nação, e não ao Governo ou a partidos; sistemas de proteção e respeito às condições de trabalho dos servidores, de forma a impedir que interesses partidários ou criminosos obstruam a atuação dos servidores. Nesse passo, friso que servidores do Judiciário Federal, do MPF e da Polícia Federal passam anos a fio sem reajustes e com seguidos cortes orçamentários, que só podemos explicar como forma de punição por estarem trabalhando bem. Ainda na questão remuneratória, precisamos eliminar os supersalários e o exagero de cargos comissionados, boa parte ocupada por apaniguados que sequer comparecem ao local de trabalho. Em suma, precisamos de muita coisa dentro do serviço público, e muito pode haver de melhoria para ele e, consequentemente, para a população. Mas nada das evoluções passa por suspender os concursos.

A você, concurseiro, fica minha solidariedade por mais uma vez ter que ouvir essas obscenidades resultantes de pouca intimidade com o que o serviço público realmente precisa. A você, meu orgulho por saber que sua constituição genético-moral é distinta daqueles que ascendem ou querem ascender aos cargos públicos sem passar pelo crivo dos concursos. A você, meus votos de que faça como os mais bem orientados: não esmoreça, com a certeza histórica e fática de que os concursos permanecerão acontecendo e que em breve virão em ainda maior monta.

Aos governantes, meus votos de que tenham sucesso em colocar o país nos trilhos, e que entendam que parte disso não é suspender os concursos, mas realizá-los com seriedade, regularidade e qualidade, dando aos servidores treinamento e condições de atender bem ao sofrido povo brasileiro. Um povo regularmente enganado durante os períodos eleitorais, e regularmente desprezado em relação àquilo que lhe assegura, em termos de serviços públicos, a Constituição Federal.

 

PRODUÇÃO LITERÁRIA DO AUTOR A VENDA NA INTERNET
Guia de Aprovação em Provas e Concursos
O novo "Guia de Aprovação em Concursos", apresenta o melhor conteúdo do mercado sobre técnicas e dicas para ser aprovado. Esta obra auxilia candidatos a cargos públicos por meio de técnicas de otimização de estudo, remontando os esquemas de desenvolvimento lógico e interativo, porém de uma maneira mais ágil e veloz. Após sua leitura, o estudante será conhecedor de técnicas de cunho prático e psicológico, possibilitando a ele uma maior velocidade e capacidade de concentração, além de fornecer artifícios de automotivação, para que não se desista no caminho rumo à aprovação.


Autor: William Douglas
Como Falar Bem em Publico
Entrevistas de emprego, provas orais ou banca examinadoras podem ser a vitória ou derrota na vida de alguém. Neste livro são dados exercícios e a abordagem teórica para que se possa expor idéias, pensamentos e sentimentos com elegância e desenvoltura. Destinado a todos os segmentos profissionais aos quais a boa comunicação é imprescindível.


Autor: William Douglas
A Arte da Guerra para Concursos - Série Ferramentas do Desempenho
O livro faz uma adaptação e interpretação da doutrina de Sun Tzu - conhecido estrategista chinês da antiguidade -, dirigindo-a aos candidatos que prestarão concursos públicos. O objetivo é estimular a preparação do concursando, analisando a obra milenar chinesa - A Arte da Guerra. Segundo o autor: "Este é um livro sobre guerras e combates, sobre guerreiros e honra. Daí, minha alegria em apresentá-lo ao mercado e aos concurseiros, como um manual, um substrato extraído das leituras e avaliações que eu mesmo precisei fazer quando o combate era feroz e a vitória, por mais que esperada, ainda incerta."


Autor: William Douglas
Os Dez Mandamentos para uma Vida Melhor
Uma expedição que mostra os aspectos positivos dos dez mandamentos. Os frutos desta viagem serão definitivos em sua vida! Em Os dez mandamentos para uma vida melhor, William Douglas apresenta uma nova visão sobre os dez mandamentos, que ficou escondida pelas religiões tradicionais. Quer você seja judeu, cristão, muçulmano ou ateu, vai encontrar neste livro a sua maneira ideal de seguir as dez leis enviadas por Deus. Para William Douglas, os dez mandamentos não são obrigações nem foram feitos para dificultar o seu dia-a-dia, muito menos para julgá-lo. Na verdade, eles foram feitos para sua vida ser mais próspera e abundante. São dicas e segredos que podem mudar sua vida. E lembre-se: os dez mandamentos existem para lhe proporcionar uma vida mais feliz.

Autor: William Douglas
Como Passar em Provas e Concursos - 20ª Ed. 2007
"Tudo o que você precisa saber sobre como passar em provas e concursos e nunca teve a quem perguntar, qualquer que tenha sido o grau de dificuldade ou a relevância do motivo, está revelado nesta obra com olímpica dimensão, de forma clara, precisa, didática e, sobremaneira, estimulante. O trabalho, de indispensável leitura e absorção do texto por parte daqueles que pretendem e dos que já se empregam na ingente tarefa de preparação para os concursos públicos, dos mais variados matizes, qualquer que seja o nível pretendido, é um generoso e atraente convite ao sucesso." - Humberto Peña de Moraes.


Autor: William Douglas
Ano: 2007

A Última Carta do Tenente
Em agosto de 2000, um acidente com o submarino russo Kursk fez com que marinheiros ficassem presos sem que houvesse tempo para salva-los. Quando finalmente os corpos foram resgatados, no bolso do uniforme de um deles, foi encontrada uma mensagem para sua mulher, escrita nas poucas horas que lhe restava


Autor: William Douglas
Criando Campeões - Uma Receita Infalível para Pais e Professores Desenvolverem Vencedores
Vivemos em um mundo competitivo onde apenas os melhores se sobressaem, não só nos esportes, mas em todas as áreas da vida. Por isso, todos os pais e professores querem que seu filho ou seu aluno seja um verdadeiro campeão na vida e nos esportes. Para transformar esse sonho em realidade, os três autores de "Criando campeões", William Douglas, juiz federal e um exemplo de sucesso em preparação de concursos, Diogo Hypolito, um atleta obstinado que não mede esforços para conquistar seus objetivos, e Renato Araujo, técnico de ginástica olímpica consagrado e ganhador de diversos prêmios, se uniram em equipe e escreveram este livro. Criando campeões deve ser lido por pais e professores que querem ver seus filhos e alunos entre os melhores, em todas as competições, esportivas ou não, enfrentadas na vida.


Autor: William Douglas
Controle de Constitucionalidade - 3ª Ed. 2004
Esta obra pretende, de forma objetiva e clara, propiciar ao operador jurídico uma visão segura da doutrina e, sobretudo, da ótica do Supremo Tribunal Federal sobre o controle de constitucionalidade, transformando-se em um instrumento desmistificador da complexidade do tema.

Autor: William Douglas
Ano: 2004
Medicina Legal - À Luz do Direito Penal e Processo Penal - 7ª Ed. 2006
Esta obra destaca-se por apresentar, simultaneamente, um conteúdo teórico e prático, além de trazer informações sobre teoria resumida, jurisprudência e modelos. A parte teórica e os modelos são de grande utilidade para profissionais que necessitam conhecer e dominar, de forma rápida, as noções essenciais da matéria. A obra traz anexo de grande relevância: comentários sobre a investigação policial na nova Lei Antidrogas - Lei nº 11.343/06.
Outro ponto a ser destacado é que essa obra foi elaborada por um Juiz Federal, um Promotor de Justiça, um Delegado de Polícia, um Capitão da Polícia Militar e três Médicos Peritos.
Dada a relevância do tema e a sua atualidade, a obra destina-se ao curso de Direito; advocacia criminal; Delegados de Polícia e atividades policial e de investigação.


Autor: William Douglas
Ano: 200
Uma Carta Viva de Direitos


Autor: William Douglas

A Maratona da Vida
Conheça o relato de um juiz federal obeso, hipertenso e sedentário que tinha a vida profissional resolvida mas cuja saúde ia de mal a pior. Ao resolver correr uma maratona, o autor, primeiro colocado em vários concursos públicos, precisou de um processo de mudança. Aproveitando sua experiência pessoal, ele ensina a lidar com sentimentos, dúvidas e problemas que acometem qualquer pessoa que queira realizar alguma coisa. Assim, mostra como é possível vencer obstáculos.


Autor: William Douglas
Ano: 2006
Carta aos Concursandos
Carta aos Concursandos reúne textos cuja finalidade é estimular concursandos a não desistirem de seus projetos.
Baseando-se numa carta escrita a um aluno que desistira do sonho de tornar-se Delegado de Polícia, Francisco Dirceu Barros elaborou inúmeros textos de caráter motivacional e técnico.
Para ajudar nesta tarefa, uniu-se a William Douglas, autor do best-seller Como Passar em Provas e Concursos.
Devido a vasta experiência de ambos em concursos públicos, esta obra pode ser usada tanto como um manual de comportamentos básicos para conquistar o cargo almejado quanto como uma reunião de conselhos dados a um amigo, quando este necessita de suporte para não desistir de seus sonhos.


Autor: William Douglas
Ano: 2005
Como Usar o Cérebro para Passar em Provas e Concursos
Este livro se destina àqueles que buscam uma mudança efetiva em suas estratégias de sucesso para serem aprovados nas provas e concursos, usando a Programação Neurolingüística. Unindo a experiência do guru dos concursos, William Douglas, com os conhecimentos sobre PNL de Carmem Zara, o livro ensina, em uma linguagem simples e clara, as técnicas mais apropriadas e rápidas para os concursandos atingirem seus objetivos. O leitor vai encontrar neste livro a chave de sua preparação mental para passar em provas e concursos.

Autor: William Douglas
Ano: 2008
Como Passar em Provas e Concursos - Edição Comemorativa
Este best-seller é referência básica para todos que almejam ser aprovados em concurso público. Por meio de técnicas e esquemas de desenvolvimento lógico e interativo, o leitor se defrontará com a possibilidade de transformar radicalmente o modo com que conduz seu aprendizado. As técnicas aqui apresentadas, quando seguidas corretamente pelo leitor, otimizam o estudo e a retenção do conteúdo a ser assimilado.
Esta edição comemorativa - mais de 150 mil exemplares vendidos -, totalmente revista, traz, além do DVD com uma palestra do autor, dicas atualizadas sobre os principais temas abordados, ajudando o leitor a usar de forma ainda melhor as técnicas de estudo e de aprendizado apresentadas pelo guru dos concursos.


Autor: William Douglas
Ano: 2008
ISBN: 9788535231823

Conforme a NBR 6023:2000 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), este texto científico publicado em periódico eletrônico deve ser citado da seguinte forma: DOUGLAS, William. As maldades de sempre: a falácia da suspensão dos concursos. Conteúdo Jurídico, Brasília-DF: 05 jul. 2016. Disponível em: <http://www.conteudojuridico.com.br/?colunas&colunista=955_William_Douglas&ver=2455>. Acesso em: 10 dez. 2018.

visualizações441 visualizações
topo da página