Artigos
Quarta, 05 de Dezembro de 2018 04h15
THAYNARA FERREIRA DE MELO: Acadêmica do Curso de Direito e Estagiária na Secretaria de Planejamento e Fazenda do Tocantins.



O déficit na criminalização dos crimes de colarinho branco


IGOR DE ANDRADE BARBOSA[1]

(Orientador)

RESUMO: O presente artigo trata dos crimes de colarinho branco, cujo termo surgiu para classificar condutas delituosas praticadas por pessoas de alto “status” social, objeto de estudo de Edwin Sutherland, sociólogo americano que apresentou a problemática da desigualdade decorrente da punição desses ilícitos em diferentes classes sociais. Por meio de uma pesquisa bibliográfica qualitativa, buscou-se entender por que as penas contra membros da camada de maior poder econômico e político não são efetivas, mesmo quando as condutas estão tipificadas na legislação. Observou-se que os autores dos crimes de colarinho branco não possuem, para o senso comum, o estereótipo de pessoas perigosas e que as penas aplicadas a eles possuem um caráter meramente simbólico, promovendo a impunidade.

Palavras-chave: Crimes de Colarinho Branco. Criminoso. Direito Penal.

ABSTRACT: This article deals with white collar crimes, wich term appered to classify criminal conduct practiced by people of high social “status”, object of study by Edwin Sutherland, American sociologist who presented the problem of inequality arising from the punishment of these illicit in different social classes.Product of a qualitative bibliographical research, it was sought to understand why the penalties against members of the layer of greater economic and political power are not effective, even when the conducts are typified in the legislation, It was observed that white-collar offenders do not have, for common sense, the stereotype of dangerous people and that the penalties imposed on them are merely symbolic, promoting impunity.

Keywords: White-Collar crimes. Criminal. Criminal law.

SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. White Collar Crimes: Uma breve análise na teoria de Sutherland. 3. O Estereótipo do sujeito criminoso. 4. Crítica ao enquadramento penal dos crimes de colarinho branco. 5. Considerações Finais. 6. Referências.


 

1.  INTRODUÇÃO

Sutherland estabeleceu como crime de colarinho branco, os crimes cometidos por pessoas de respeitabilidade no exercício de sua atividade econômica e que atentam diretamente contra a economia de um país. A expressão está estreitamente ligada aos colarinhos brancos das camisas dos altos executivos.

Os métodos empregados por estes criminosos foram aprimorados e várias tipificações foram criadas e definidas em lei. Todavia, não obstante existirem diversas leis tratando sobre a punição dos criminosos, os mesmos não são punidos de modo eficaz.

Para a população é um crime complexo, visto que, distintivamente dos crimes comuns, os crimes de colarinho branco não precisam de violência direta e são praticados por aqueles que dispõem de credibilidade da sociedade e que exercem cargos de influência.

Para proceder à análise, este estudo está estruturado em três capítulos. O primeiro capítulo aborda a definição dos crimes e as espécies de delitos da legislação brasileira que se enquadram no conceito do sociólogo estadunidense Edwin Sutherland, bem como, a explicação da Teoria da Associação Diferencial, que esclarece a origem destes delitos.

O segundo capítulo se reserva a analisar o perfil do delinquente, que com seu semblante benévolo e destituído de qualquer ética, possui um amplo prestígio na sociedade, influenciando, inclusive, na aplicação da norma penal.

O terceiro e último capítulo versa sobre o enquadramento penal, analisando como a impunidade dos criminosos de colarinho branco serve de estímulo à criminalidade e à prática permanente de novos crimes.

Enfim, objetivando aprofundar os temas seletividade e impunidade nos crimes de colarinho branco, adotando como procedimento os métodos histórico e bibliográfico, com a aplicação da doutrina, legislação brasileira e artigos, a presente pesquisa apresenta um discurso combatente que denuncia a existência destas práticas no seio da sociedade brasileira e aponta a necessidade de rever a forma como as penas contra essas condutas delituosas são aplicadas na prática.

2. WHITE COLLAR CRIMES: UMA BREVE ANÁLISE NA TEORIA DE SUTHERLAND 

Os crimes de colarinho branco se desenvolveram diferentemente dos demais crimes. Sendo que, apenas no começo do século XX eles se tornaram um dos focos de estudo da criminologia. Em 1930, a criminalidade ainda era explicada como resultado de alguns elementos, tais como classe, idade, fatores sociais e contato com a marginalidade. Assim, ilustra Sutherland (1949, p.22):

[...] as patologias sociais que têm sido enfatizadas são pobreza e, relacionada a ela, condições precárias de habitação, falta de recreação organizada, falta de educação e perturbações na vida familiar. As patologias pessoais que têm sido sugeridas como explicações do comportamento criminal eram, de início anormalidades biológicas [...] a próxima explicação foi inferioridade intelectual, e mais recentemente instabilidade emocional. Algumas dessas escolas acreditavam que patologias pessoais eram herdadas e eram a causa da pobreza assim como o comportamento criminal, enquanto outros acreditavam que as patologias pessoais eram produzidas pela pobreza e que esta patologia pessoal contribuía para a perpetuação da pobreza [...].

A terminologia “Crime do Colarinho Branco” ou “White Collar Crime” como ficou conhecida, ganhou força em 1939 por Edwin Hardin Sutherland, professor de sociologia da Universidade de Indiana, EUA, que durante o seu pronunciamento no 34º American Sociological Association, apresentou a problemática da existência da decorrente desigualdade na punição desses ilícitos em diferentes classes sociais. Sutherland continuou desenvolvendo suas pesquisas e apenas dez anos depois, em 1949, publicou a clássica obra White Collar Crime, em que tratou sobre o assunto com a devida complexidade (SUTHERLAND, 1949).

O discurso do sociólogo estadunidense foi resultado de uma pesquisa que investigou as decisões judiciais e administrativas, contra 70 empresas dos Estados Unidos, nos ramos de mineração, manufatura e comércio e, chegou ao desfecho de que o fator econômico não poderia servir como a única causa para justificar a criminalidade, provando que os motivos convencionais sobre os crimes eram insubsistentes, principalmente porque as provas eram resultado de referências tendenciosas, porque os estudos eram dirigidos somente à análise das classes mais baixas da sociedade (SUTHERLAND apud VERAS, 2010).

Sendo assim, Sutherland definiu como sendo crime de colarinho branco: “[...] un delito cometido por una persona de respeitabilidad y estatus social alto en el curso de su ocupación” (SUTHERLAND, 2009, p. 9). Ou seja, um crime cometido por uma pessoa de respeitabilidade e elevado status social, em razão da função que exerce (PIMENTEL, 1973).

Fundado em tais resultados, Sutherland remeteu-se que não há crime ocasionado pela pobreza ou por fatores biológicos, já que pessoas de classe social mais elevada também praticavam crimes (SHECAIRA, 2012).

Partindo dessa premissa, Sutherland promoveu a “Teoria da Associação Diferencial”, estabelecendo que o comportamento delituoso se aprende com o convívio entre indivíduos no mesmo meio social. Ou seja, a conduta delituosa não é oriunda de aspectos biológicos específicos à pessoa, é algo que se aprende por intermédio da socialização (BARATTA, 2004).

Conforme assenta, Mônica Castagna Molina:

Os fundamentos da conduta humana são o resultado do aprendizado proporcionado pela experiência cotidiana; ou seja, o comportamento é constantemente promovido e remodelado a partir das reações heteronômicas que a conduta do agente provoca. A conduta criminal, pois, é um hábito adquirido: num complexo processo de comunicação social, o indivíduo aprende um comportamento criminoso, os valores criminais, as técnicas específicas e os mecanismos subjetivos de racionalização de seu agir desviado. (MOLINA, 2006, p. 274). 

Com base da Teoria da Associação Diferencial, foi possível revelar a delinquência nas classes sociais mais elevadas, suprindo a falta de justificativa que até então não havia (FELDENS, 2002).

A intitulação white collar crime afastou as teorias clássicas firmadas por criminólogos e sociólogos anteriores à Sutherland, diante da distinção entre os fundamentos e decorrências inerentes aos delitos tradicionais e os econômicos (ANYIAR DE CASTRO, 1983).

Assim, o real objetivo do autor era introduzir os crimes de colarinho branco nas estatísticas criminais da época que só incluíam crimes comuns praticados por indivíduos desfavorecidos, era fundamental que a lei considerasse as condutas de colarinho branco como crime, para que a partir da tipificação houvesse a punição (FRANÇA, 2014).

A partir do trabalho de Sutherland, o termo crime de colarinho branco se propagou pelo mundo. No Brasil, a disciplina de Direito Penal Econômico é atribuída a estudar os crimes relacionados com a ordem econômica, e os delitos conexos (PRADO, 2013).  

No direito brasileiro, a proporção de ocorrências socioeconômicas e as particularidades dessa delinquência, ajustou alcunhar o Direito Penal Econômico, tendo o Estado o dever e a proteção da ordem econômica, não meramente por estar previsto na Constituição Federal, mas também por versar interesses difusos pertinentes a toda população (CORREIA, 1998).

O Código Penal Brasileiro de 1940, segundo Correia (1998), expandiu consideravelmente o rol dos crimes econômicos ao converter delitos administrativos ou civis em delitos criminais. Com o surgimento de modificações sociais, o Estado deparou-se com o dever de criminalizar outras condutas, que não estavam em evidência na época da elaboração do Código Penal.

Tais modernizações foram essenciais para a legislação progredir e se desenvolver simultaneamente com os avanços da tecnologia e da respectiva sociedade. Assim, importantes leis penais extravagantes apareceram a partir da segunda metade do último século, demonstrando o impulso desenvolvimentista no Brasil (SOUZA, 2007).

Para alguns doutrinadores, o crime de colarinho branco deve ser considerado restritivamente, consistindo nas infrações penais cuja objetividade esteja na ordem econômica. (FRAGOSO, 1982).

Porém a doutrina contrária, aceita um conceito amplo, compreendendo a criminalidade de colarinho branco não apenas as violações à ordem financeira e econômica, mas também a qualquer outro bem jurídico, como administração pública, bastando que o autor aja no âmbito prevalecendo-se de seu status social privilegiado (BOULLANGER, 2002). 

Assim, de acordo com conceito originário de Sutherland e aos doutrinadores que se valem do conceito amplo, os crimes de colarinho branco, englobam, os seguintes crimes:

Os crimes contra a ordem econômica (Lei nº. 8.176/91); economia popular (Lei nº. 1.521/51); crimes financeiros (Lei nº. 7.492/86); crimes contra o consumidor (Lei nº. 8.078/90); crimes contra o mercado de valores imobiliários (Lei nº. 6.385/76); crimes falimentares (Lei nº. 11.101/05); crimes licitatórios (Lei nº. 8.666/93); crimes econômicos, tributários e contra as relações de consumo (Lei nº. 8.137/90); crimes contra a ordem econômica (Lei nº. 8.176/91); crimes ambientais (Lei nº. 9.605/98); crimes de lavagem de dinheiro (Lei nº. 9.613/98).

Os mencionados delitos representam, em termos de legislação penal brasileira, a categoria do white collar crime, já que frequentemente são praticados por pessoas de considerável prestígio social, no desempenho de suas funções, e abusando de alguma relação de confiança (BARATTA, 2004).

3.  O ESTEREÓTIPO DO SUJEITO CRIMINOSO

Com a formação do capitalismo, a classe social em que o indivíduo está estabelecido é primordial para a sua inserção social. No âmbito em que tudo tem um valor, possuir recursos é o principal atributo para ser respeitado e ter prestígio, além do mais, pouco implica a origem dos recursos utilizados para esbanjar dinheiro, dos quais na maioria das vezes são oriundos de crimes contra a ordem econômica, financeira e tributária (BATISTA, 2003).

Diante disso, o criminoso do colarinho branco não se percebe como tal, de acordo com Sutherland (apud GIRON, 2008), o agente de tal crime se considera um mero violador da lei.

Seguindo a mesma linha de raciocínio, Mir (1987 apud FELDENS, 2002) leciona que este tipo de delinquente denota pouca culpa, uma vez que sua consciência se identifica com a dos homens de negócio, buscando obter lucro a qualquer preço. Sua obsessão por sucesso, seus desejos de riqueza e poder, se sobressaem ao seu julgamento de certo ou errado.

O autor prossegue, citando a doutrina alemã de Mergen, que criou o Psicograma de Mergen, que identifica os principais pontos a respeito do criminoso de colarinho branco:

a)    materialismo: o delinquente de colarinho branco apenas concede valor aos bens materiais, apreciando os valores ideais, intelectuais ou morais unicamente como meio de enriquecer-se. Tal como o toxicômano, necessita aumentar, sem cessar, a dose da droga. Sua tensão psicológica se libera com a ganância, sendo a sua psicologia, neste sentido, similar a de um jogador;

b)    egocentrismo e narcisismo: sua personalidade não passa pelo primeiro estágio do egocentrismo, sem desenvolvimento de sua afetividade e sem abertura à vida racional. Seu narcisismo lhe faz sentir-se medida e critério dos demais, soberano e insensível a críticas;

c)     dinamismo e audácia: são dotados de um extremo dinamismo, próprio de seu caráter primário e de seu otimismo egocêntrico, que o impede de dosar os riscos. Essa vitalidade lhes outorga facilidade de persuasão;

d)    inteligência: são refinados, quiçá inteligentes, mas raramente cultos. Sua inteligência é dirigida ao êxito imediato. Não são violentos, mas usam a sua inteligência contra o que seja preciso sem inibição alguma;

e)    periculosidade: em que pese observador superficial os tenha como honoráveis cidadãos favorecidos pelo destino, o certo é que a combinação de uma forte potencialidade criminal e uma grande capacidade de adaptação social lhes faz um dos criminosos mais perigosos. Sua periculosidade se acentua ao ignorar todo limite ético;

f)      hipocrisia: sua imoralidade contrasta com seu papel social de mecenas e homem alentador de grandes causas;

g)    neurose: a mania de lucro provoca deficiências graves de afetividade que permite encontrar neuróticos com dificuldades de comunicação humana e com um característico comportamento sexual de impotência;

h)    carência de sentimento de culpabilidade: comparado com o delito comum, o delito econômico não provoca reação social, o que explica que o autor careça de consciência de culpabilidade. (BACIGALUPO apud FELDENS, 2002 p. 139-140).

Há que se ressaltar, no entanto, que não se deve caracterizar o criminoso de colarinho branco como um delinquente comum. Pois, em consequência da camada social privilegiada que ocupa, o violador econômico desfruta de amplo acesso às informações jurídicas e possui, ainda, entendimento das consequências de seus atos ilícitos, possuindo mais condições de racionalizar suas ações, no sentido de se assegurar e presumir o efeito de sua ação delituosa, e com isto possui o menor risco de ser criminalizado (ARGÜELLO, 2012).

Assim, conforme afirma Sutherland (apud PIMENTEL, 1973, p. 119-120), os criminosos de colarinho branco são formados por uma “categoria à parte, composta de pessoas bem-nascidas e bem-educadas”, de boa vizinhança. O autor continua afirmando que esse indivíduo foi criado em lar bem constituído. “Frequentaram boas escolas e ingressaram no mundo dos negócios”, onde situações atípicas foram-lhes induzindo a adoção desses “comportamentos sistemático”, tornando-se, via de regra, como outro tipo qualquer de aprendizado.

Ainda em Pimentel (1973, p. 121), encontramos a formação do caráter do criminoso do colarinho branco, quando o autor comenta:

Corriqueiras infrações de trânsito, tais como a ultrapassagem de veículos em lugar inadequado; estacionamento em local proibido; abuso dos sinais acústicos; excesso de velocidade e a direção de veículo motorizado sem a competente habilitação, às vezes com a franca conivência dos pais, são comportamentos que preparam o terreno para o afastamento do jovem da esfera do respeito à lei e à ordem jurídica.

Neste raciocínio podemos inferir que, a partir de pequenas violações, onde o autor do delito se vê impune, sentindo-se glorificado ao infringir sem a devida punição, o violador terá seu comportamento reforçado, distorcendo sua visão de ética partindo, daí, para delitos mais graves, conforme descrito por Ferracuti (apud PIMENTEL, 1973):

Percebe-se, assim, que o criminoso de colarinho branco não se dá conta, inteiramente, da reprovabilidade do seu comportamento, pois o desvio ético é subjetivamente justificado pela prevalência dos motivos que levam o agente a desrespeitar as regras morais ou jurídicas que ordenam conduta diversa.

Em consequência de o criminoso passar quase que despercebido no meio social em que vive, sua ação delituosa é bem mais perigosa que a dos criminosos comuns, uma vez que nem sempre sabemos quem são estes. É este criminoso que deve ser realmente combatido, com bastante habilidade, pois qualquer ação errônea é capaz de isentá-lo cada vez mais, ante o imenso amparo que ele goza na sociedade (CASTRO apud FISCHER, 2006).

4.  CRÍTICA AO ENQUADRAMENTO PENAL DOS CRIMES DE COLARINHO BRANCO

Na concepção da criminalidade do colarinho branco, se faz imprescindível entender a lógica da seletividade do sistema penal, considerando-se a baixa repercussão dos delitos cometidos pelos prestigiados da alta sociedade, nas diferentes dimensões do sistema penal, conforme asseverado pelo estudo produzido por Sutherland (ANDRADE, 2003).

De acordo com o que prevê a Carta Magna e a Lei Penal, não deve existir distinção, inclusive durante a incriminação de qualquer indivíduo, o Estado, sendo o detentor do direito de punir e o fazendo por meio do Direito Penal, determina um controle de ações consideradas desviantes socialmente, dando origem aos tipos penais (ANDRADE, 2003).

Contudo, as prioridades persecutórias do sistema penal brasileiro estão longe de uma proporcionalidade na distribuição da justiça penal, pois a própria legislação estabelece vantagens incompatíveis com a busca de uma sociedade pacífica. Tais benefícios por vezes são dirigidos a um determinado grupo de pessoas, excluindo-se outras (ARAÚJO, 2010).

Basta uma simples análise nas Leis que regulam a ordem financeira e econômica e o Código Penal, que se verifica a desproporcionalidade dos tipos penais. Não obstante que a consumação de crimes violentos, produz uma comoção significativa na sociedade, mas, os reflexos causados em toda a sociedade pelas práticas de condutas, especificamente contra o sistema financeiro, são lesivos a estrutura política do Estado, atingindo os interesses difusos e coletivos da sociedade (NEPOMUCENO, 2004).

O criminoso de colarinho branco é detentor de benefícios estipulados em lei, tais como penas menores para condutas análogas às cometidas por pessoas desfavorecidas, já o indivíduo tachado como indesejável é escolhido para ser o cliente apto da repressão penal do Estado, promovendo assim a seletividade do sistema penal, não somente pelos tipos de comportamentos descritos na lei, mas também pela própria formulação técnica dos tipos legais (ZAFFARONI, 2015).  

O direito penal não defende todos e somente os bens essenciais, nos quais estão igualmente interessados todos os cidadãos, e quanto pune as ofensas aos bens essenciais faz com intensidade desigual e de modo fragmentário; b) a lei penal não é igual para todos; o status de criminoso é distribuído de modo desigual entre os indivíduos; e c) o grau efetivo de tutela e a distribuição do status de criminoso é independente da danosidade social das ações e da gravidade das infrações à lei, no sentido de que estas não constituem a variável principal da reação criminalizante e da sua intensidade. (BARATTA, 2011, p. 45).

Tem-se, por exemplo, o art. 34 da Lei 9.249/95 que prevê a extinção da punibilidade em crimes contra o sistema tributário caso o valor seja devolvido antes do recebimento da denúncia:

Art. 34. Extingue-se a punibilidade dos crimes definidos na Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, e na Lei nº 4.729, de 14 de julho de 1965, quando o agente promover o pagamento do tributo ou contribuição social, inclusive acessórios, antes do recebimento da denúncia.

Do artigo supracitado, pode-se verificar que para os provenientes da classe economicamente elevada, é permitida a “oportunidade” de pagar o tributo, que é o objeto da infração penal, e assim será extinta a sua punibilidade.

Mas para os provenientes da classe social inferior a consequência do crime é a provável reclusão, de acordo com o art. 16 do Código Penal que versa sobre o arrependimento posterior, que ocorre após a consumação do delito, quando cometido sem violência ou grave ameaça, mas se o agente repara o dano ou restitui a coisa até o recebimento da denúncia, aplica-se apenas a redução da pena de um a dois terços (FELDENS, 2002).

A extinção da punibilidade pelo pagamento do tributo sonegado faz com que haja a impressão de que pessoas com melhor poder aquisitivo podem pagar para não serem punidos. Reforçando a ideia de que o ladrão comum será processado e julgado pelo Estado mesmo que devolva o dobro do que roubou, mas o sonegador fiscal que lesou toda sociedade sairá impune se pagar o valor omitido (FELDENS, 2002, p. 69).

Assim, é possível perceber que ao não estabelecer penas adequadas aos crimes de colarinho branco, favorece a classe social elevada e não os rotula como criminosos, pois suas condutas delituosas são consideradas sem importância cominando assim a penas mais brandas (NEPOMUCENO, 2004).

Feldens (2002, p. 180) leciona que:

Este processo representa uma verdadeira despenalização de condutas que ofendem de forma inescrupulosa os bens jurídicos coletivos mais “caros” à sociedade brasileira. Curiosamente, esse episódio de ‘civilização’ do Direito Penal aproveita exclusivamente aos autores dos crimes de colarinho branco. As modificações legislativas que veiculam essa civilização vêm dar-se concidentemente em momento histórico em que o Direito Penal principia por alcançar sua maturidade, lançando-se ao sancionamento de crimes praticados em detrimento da ordem econômico-tributária e do sistema financeiro.

Nesse sentido, percebemos que a população prisional, principalmente no Brasil, é composta em sua quase totalidade por um público pouco detentor de bens. Assim, num contexto de manutenção de sociedade capitalista, o sistema penal tolera algumas ilegalidades, simplesmente por serem úteis. Dessa forma entende-se por que os criminosos do colarinho branco “não detêm de espaço” para fazer parte das estatísticas criminais, haja vista serem eles os geradores do capital, e nesse âmbito, não haveria razão para a sua criminalização e consequentemente o encarceramento (ZAFFARONI, 1991).

Para Mellin (2016, p. 40) discorre que:

Com base em uma ótica criminológica que parte da orientação marxista, é possível perceber a existência de um Direito Penal de classes, que aprofunda cada vez mais as desigualdades entre as pessoas, no que se refere às classes a que pertencem, no tratamento dispensado às variadas naturezas delitivas consolidadas no Código Penal e em leis esparsas. O que se afirma é que a sujeição desses aparatos legais ao capital parece tornar a repressão à criminalidade econômica um embuste, deslegitimando o próprio Direito e seu discurso igualitário, na medida em que torna inócua sua finalidade precípua, que consiste em reprimir as práticas delituosas existentes na sociedade independentemente da condição pessoal de seus autores.

Por fim, pode-se concluir que há um tratamento legislativo e jurisdicional que tem privilegiado a camada social mais elevada, se valendo da justificativa de que no caso de tais discrepâncias se tornarem diferenciadas pelo sistema penal, haveria um enfraquecimento das classes dominantes, tornando-as fragilizadas (ARAÚJO, 2010).

5.  CONSIDERAÇÕES FINAIS

Ante o que se pode observar, constata-se que o criminoso de colarinho branco possui tratamento especial, isto é, um escudo que o imuniza contra ao aparato penal. As conclusões do estudo de Sutherland demonstram justificativas para este posicionamento do sistema penal. Ao se considerar que esse criminoso vem de uma classe social privilegiada, o excluindo do processo de criminalização.

Essa desigualdade é criada pelo próprio sistema que se incumbe de desenvolver mecanismos para essa distinção. A não penalização dos crimes de colarinho branco não alcança maior relevância por serem praticados por membros de uma camada detentora de maior poder econômico e político, capazes de controlar os mecanismos de senso comum.

Por fim, a ineficiência punitiva do sistema penal em relação aos crimes de colarinho branco é clara e deve ser dialogada e consequentemente modificada, até mesmo para impossibilitar a permissão de privilégios penitenciários a essa classe, uma vez que na maioria das vezes as penas são aplicadas no mínimo possível, e acabam sendo substituídas por penas restritivas de direito, pois esses fatores impedem o combate ao crime, porque mesmo condenando os responsáveis pelos delitos, muitos não cumprem a pena.

6. REFERÊNCIAS

ANDRADE, Vera Regina Pereira de. A ilusão de segurança jurídica: do controle da violência à violência do controle penal. 2. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2003.

ARGÜELLO, Katie. Processo de criminalização e marginalidade social. Estudos críticos sobre o sistema penal: homenagem ao Professor Doutor Juarez Cirino dos Santos por seu 70º aniversário. Zilio, J.; Bozza, F. (Org.). Curitiba: LedZe Editora, 2012.

ANYIAR DE CASTRO, Lola. Criminologia da reação social (traduzido por Ester Kosovski). Rio de Janeiro: Forense, 1983.

ARAÚJO, Marcelo Cunha de. Só é preso quem quer: impunidade e ineficiência do sistema criminal brasileiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Brasport, 2010.

BARATTA, Alessandro. Criminologia crítica e crítica do direito penal. Rio de Janeiro: Revan, 2011.

______ Criminología Crítica y crítica del Derecho Penal – introdución a la sociología jurídico-penal. trad. de álvaro Búnster. Avellaneda: Siglo Vintiuno Editores, 2004.

BATISTA, Nilo, Mídia e sistema penal no capitalismo tardio, Revista Brasileira de Ciências Criminais, São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003, v. 42.

______ Introdução crítica ao direito penal brasileiro. Rio de Janeiro: Revan, 2011.

BOULLANGER, Hervé. La criminalité économi-que en Europe. Paris: Presses Universitaires de France, 2002.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2012.

CASTRO, Lola Niyar de. Criminologia da reação social, p. 78-79, apud FISCHER, Douglas. Delinqüência econômica. Porto Alegre: Verbo Jurídico, 2006.

CORREIA, Eduardo. Introdução ao Direito Penal econômico: Direito Penal econômico e europeu: textos doutrinários. Coimbra: Coimbra Editora, 1998. v. 1.

______.  Decreto-Lei nº 2.848 de 07 de dezembro de 1940. Estabelece o Código Penal Brasileiro. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del2848compilado.htm.> Acesso em 21 de set. 2018.

______.  Lei nº 1.521 de 26 de dezembro de 1951. Altera dispositivos da legislação vigente sobre crimes contra a economia popular. Diário Oficial da União, Brasília, 26 dezembro 1951.

______.  Lei nº 7.492 de 16 de junho de 1986. Define os crimes contra o sistema financeiro nacional, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 06 de abril de 1966.

______. Lei nº 8.078/90 de 11 de setembro de 1998. Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 11 de setembro de 1998.

______. Lei nº 6.385, 07 de dezembro de 1976. Dispõe sobre o mercado de valores mobiliários e cria a Comissão de Valores Mobiliários. Diário Oficial da União, Brasília, 07 de dezembro de 1976.

______.  Lei nº 8.137, de 27 de Dezembro de 1990. Define crimes contra a ordem tributária, econômica e contra as relações de consumo, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 27 de dezembro de 1990.

______. Lei nº 11.101, de 09 de fevereiro de 2005. Regula a recuperação judicial, a extrajudicial e a falência do empresário e da sociedade empresária. Diário Oficial da União, Brasília, 09 de fevereiro de 2005.

______.  Lei nº 8.666, de 21 de Junho de 1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 21 de junho de 1993.

______. Lei nº 8.176, de 08 de fevereiro de 2001. Define crimes contra a ordem econômica e cria o Sistema de Estoques de Combustíveis. Diário Oficial da União, Brasília, 08 de fevereiro de 2001.

______.  Lei nº 9.605, de 12 de Fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 12 de fevereiro de 1998.

______. Lei nº 9.613, de 03 de Março de 1998. Dispõe sobre os crimes de "lavagem" ou ocultação de bens, direitos e valores; a prevenção da utilização do sistema financeiro para os ilícitos previstos nesta Lei; cria o Conselho de Controle de Atividades Financeiras - COAF, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 03 de março de 1998.

FELDENS, L. Tutela Penal de Interesses Difusos e Crimes do Colarinho Branco: por uma relegitimação da atuação do Ministério Público. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2002.

FRAGOSO, Heleno Cláudio. Direito penal econômico e direito penal dos negócios. Revista de Direito Penal e Criminologia, Rio de Janeiro, n.33, p.122-29, jan.-jun. 1982.

FRANÇA, L. A. A criminalidade de colarinho-branco: a proposição teórica de Edwin Hardin Sutherland. Revista de Direito Econômico Socioambiental. Curitiba, v. 5, n. 1, p. 53-74, jan./jun. 2014.
GIRON, N. Crimes do colarinho branco – características do agente do crime a (im)parcialidade na administração da justiça penal: uma abordagem à luz dos valores constitucionais. Trabalho de Conclusão de Curso – FUFR. Cacoal, 2008.

MELLIN, S. H. R. Crimes de colarinho branco: uma abordagem crítica sobre a forma jurídica. Dissertação de Mestrado em Direito Político e Econômico. Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo: 2016

MOLINA, A. G. P. de. Criminologia: introdução a seus fundamentos teóricos; introdução às bases criminológicas da Lei 9.099/95, Lei dos Juizados Especiais Criminais. Tradução de Luiz Flávio Gomes e Davi Tangerino. 5. ed. rev. e atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006.
NEPOMUCENO, A. Além da lei: a face oculta da sentença penal. 2.ed. Rio de Janeiro: Revan, 2004.
PIMENTEL, M. P. O crime de colarinho branco. Revista da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. v. 68, n. 1, 1973. Disponível em <https://www.revistas.usp.br/rfdusp/article/download/66692/69302> Acesso em 22 de ago. 2018.

PRADO, Luiz Regis. Direito Penal Econômico. 5. ed. revista, atualizada e ampliada. São Paulo: Revista Dos Tribunais, 2013.

SECHAIRA, Sérgio Salomão. Criminologia. 4.ed. São Paulo: Revista dos Tribunais,

2012.

SOUZA, Luciano Anderson de. Expansão do direito penal e globalização. São Paulo: Quartier Latin, 2007.

SUTHERLAND, E. H. Crime de Colarinho Branco: Versão sem Cortes. Coleção Pensamento Criminológico n° 22, 2015.

______. El Delito de Cuello Blanco – the White collar crime – uncut version. trad. de laura Belloqui. Montevideo/Buenos Aires: BdeF, 2009.

______ . White collar criminal. New York: Dryden Press, 1949.

VERAS, Ryanna Pala. Nova criminologia e os crimes de colarinho branco. 1. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

ZAFFARONI, Eugênio Raúl; BATISTA, Nilo; ALAGIA, Alejandro; SLOKAR, Alejandro. Direito Penal Brasileiro - Teoria Geral. 4º ed. Rio de Janeiro: Editora Revan, 2015.

______. Em busca das penas perdidas: a perda da legitimidade do sistema penal. Trad. Vânia Romano Pedrosa. Rio de Janeiro: Revan, 1991.

NOTA:

[1]          Igor de Andrade Barbosa. Defensor Público da União no Estado do Tocantins. Mestre em Direito Econômico e Desenvolvimento pelo Programa de Mestrado em Direito da Universidade Candido Mendes - UCAM. Professor da Faculdade Católica do Tocantins. Orientador deste artigo de conclusão de curso.

 


Conforme a NBR 6023:2000 da Associacao Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), este texto cientifico publicado em periódico eletrônico deve ser citado da seguinte forma: MELO, Thaynara Ferreira de. O déficit na criminalização dos crimes de colarinho branco. Conteudo Juridico, Brasilia-DF: 05 dez. 2018. Disponivel em: <http://www.conteudojuridico.com.br/?artigos&ver=2.591517&seo=1>. Acesso em: 14 dez. 2018.

  • Versão para impressão
  • Envie por email
  • visualizações45 visualizações
  • topo da página


Artigos relacionados: